Chuvas reduzem oferta de hortaliças e preços sobem no atacado

De acordo com a Conab, o tomate chegou a registrar alta de 95% em Vitória, no Espírito Santo, em janeiro

As chuvas do início deste ano provocaram aumento nos preços das hortaliças em janeiro nas principais nas Centrais de Abastecimento (Ceasas) do País. A avaliação é da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que divulgou nesta terça-feira, 18, o segundo Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) de 2020.

Conforme a Conab, o tomate chegou a registrar alta de 95% em Vitória (ES) e de 87,39% em Recife (PE). “A oferta do produto diminuiu de forma acentuada nos mercados em janeiro deste ano, o que influenciou na alta”, diz a estatal.

A pesquisa considera, além do tomate, outros quatro produtos (cenoura, cebola, batata e alface) com maior representatividade na comercialização nas principais Ceasas do País e que registram maior destaque no cálculo do índice de inflação oficial (IPCA). Outra importante hortaliça para o consumo dos brasileiros, a batata chegou a custar R$ 2,58 o quilo no atacado da capital de Pernambuco, uma elevação de cerca de 38%.

Continue a leitura após o anúncio

“A oferta do tubérculo também está reduzida, uma vez que as chuvas aumentam a incidência de doenças, diminuem o ritmo de colheita e ainda prejudicam o escoamento da produção”, explicam os técnicos da Conab.

Com isso, a tendência para o mês de fevereiro é que os valores continuem em níveis elevados. Só na primeira quinzena deste mês, a Ceasa de Fortaleza registra preços 30% mais elevados. Comportamento seguido em Brasília, com alta de 27%, e em Belo Horizonte, com 15% de elevação. A cenoura, cujo movimento de alta de preços foi unânime nos mercados atacadistas estudados, teve os maiores porcentuais próximos dos 40% e foram observados nas Ceasas que abastecem São Paulo (45%), Recife (44,59%) e Brasília (43,75%).

“As chuvas constantes nesta época, prejudicam a colheita e a produtividade, influenciando nos preços”, informa a Conab no boletim, salientando que os preços tendem a se manter em elevação em fevereiro.

Segundo a Conab, a alta de preço da alface ocorreu na CeasaMinas, de Belo Horizonte (26,02%) e na Ceasa/CE, de Fortaleza (15,56%). As intensas chuvas que ocorreram em várias regiões produtoras, especialmente em Minas Gerais na região de Belo Horizonte e no Espírito Santo refletiram na baixa oferta das folhosas. “No Espírito Santo este reflexo foi percebido nos preços de forma mais intensa no início de fevereiro”, observa Conab.

Já a cebola mostra direção contrária. Com um comportamento atípico para o período, o bulbo foi comercializado com valores estáveis, ou até mesmo mais baratos em alguns atacados. “Um dos motivos para a queda nos valores é a boa produção registrada em Pernambuco, que contribuiu para um aumento de 30% da oferta no mercado”, comenta a Conab.

Frutas

No segmento de frutas, o estudo da Conab também considerou os alimentos com maior participação na comercialização e no cálculo da inflação (banana, laranja, maçã, mamão e melancia).

Conforme a Conab, a melancia ficou mais barata na maioria dos mercados atacadistas analisados em janeiro. A baixa procura pelo produto, por causa do tempo ameno e chuvoso e a menor qualidade da fruta, favoreceu a queda dos preços. O mamão apresentou comportamento similar. A redução nos valores comercializados é reflexo da demanda mais fraca e pelas más condições climáticas tanto no cultivo quanto na colheita da fruta.

“Para fevereiro, os preços devem se manter estáveis, uma vez que a oferta apresenta-se de forma ajustada mesmo com o registro de uma leve aquecida na demanda”, diz a Conab.

A menor oferta da laranja impulsionou as cotações da fruta. “Janeiro marcou um período de entressafra da fruta e as cotações continuaram elevadas por causa da restrição de laranja de melhor qualidade, mais requerida pelo consumidor final”, explica a Conab.

Segundo a Conab, a banana teve queda de preços nas Ceasas do Sudeste, muito por causa das chuvas e as dificuldades das operações logísticas. Mesmo assim, a banana nanica teve boa oferta no norte de Santa Catarina e no Vale do Ribeira (SP).

Já a banana prata, em meio à entressafra em diversas regiões, teve queda da oferta, aumento da demanda e dos preços. A maçã registrou aumento de preços e queda da comercialização na maior parte das centrais de abastecimento, com o fim dos estoques.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Notícias relacionadas:

TV DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Todos direitos reservados @ 2019 | Rua Dona Germaine Burchard, 229 | Bairro de Perdizes, São Paulo-SP

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Cadastre-se e receba nossas notícias

Todos os dias no seu e-mail melhor conteúdo do agronegócio. 

Quais newsletter você gostaria de receber?
Notícias diárias (resumo do dia)Jornal de Leilões (semanal)