Cientistas do Reino Unido avançam na busca de vacina contra a peste suína africana

Instituto Pirbright revela que 100% dos porcos imunizados com a nova vacina sobreviveram a uma dose letal do vírus ASF

Cientistas do Instituto Pirbright, no Reino Unido, deram um passo mais perto do desenvolvimento de uma vacina contra a peste suína africana (ASF, na sigla em inglês), relata reportagem publicado no portal norte-americano Feedstuffs. Em um estudo recente, cujos resultados foram publicados na Vaccines, 100% dos porcos imunizados com a nova vacina sobreviveram a uma dose letal do vírus ASF, disse o instituto Pirbright.

A peste suína africana causa febre, perda de apetite, vômitos e diarreia com sangue em porcos e javalis, com taxas de mortalidade de casos chegando a 100%. A doença continua a se espalhar pela Europa Oriental e Ásia e já resultou na morte de mais de 7 milhões de porcos em todo o mundo em 2019. Sem vacina comercial disponível, medidas rigorosas de biossegurança e o abate de animais suscetíveis são os únicos métodos disponíveis para controlar a ASF.

Continue a leitura após o anúncio

A equipe da Pirbright desenvolveu uma vacina vetorizada que usa um vírus não nocivo (o vetor) para entregar oito genes estrategicamente selecionados do genoma do vírus ASF nas células suínas. Uma vez dentro da célula, os genes produzem proteínas virais que estimulam as células imunológicas do porco a responder a uma infecção por ASF, de acordo com Feedstuffs. Todos os porcos que foram imunizados com a vacina foram protegidos contra doenças graves após o desafio com uma cepa fatal do vírus ASF, embora alguns sinais clínicos da doença tenham se desenvolvido, informa o instituto.

Chris Netherton, chefe do Grupo de Vaccinologia ASF da Pirbright, disse: “É muito encorajador ver que os genes que selecionamos são capazes de proteger porcos contra o ASF. Embora os porcos tenham mostrado sinais clínicos de infecção após o desafio com o vírus, nosso estudo mostrou pela primeira vez que uma vacina vetorizada contra a ASF é uma possibilidade realista. ”

Pirbright afirmou que esse tipo de vacina também permitirá a diferenciação de animais infectados daqueles que receberam uma vacina (conhecida como DIVA), que é uma característica importante, pois permite que programas de vacinação sejam estabelecidos sem sacrificar a capacidade de realizar comércio entre as fronteiras. “Nosso próximo passo será descobrir os mecanismos por trás de como as proteínas produzidas pelos genes do vírus estimulam o sistema imunológico, para que possamos refinar e adicionar aqueles incluídos na vacina para melhorar a eficácia”, observou Netherton. “Este é um avanço muito encorajador, e significa que estamos um passo mais perto de salvaguardar a saúde de nossos porcos”, disse Christine Middlemiss, chefe veterinária do Reino Unido.

A pesquisa foi financiada pelo Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais do Reino Unido e pelo Conselho de Pesquisa em Biotecnologia e Ciências Biológicas. Fonte: Feedstuffs, adaptado por Denis Cardoso

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO