[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Classificação de carcaças faz falta no Brasil

À frente de diversas pesquisas com qualidade de carne na USP, a professora Angélica Pereira vê avanços na área, mas diz que consumidor quer mais

“O produtor precisa estabelecer pontos de controle que garantam a qualidade da porteira para dentro” – Angélica Pereira, professora dos Laboratório de Ciência da Carne e de Pesquisa em Gado de Corte da USP

Por Carolina Rodrigues

Responsável, há 10 anos, pelo Laboratório de Ciência da Carne e pelo Laboratório de Pesquisa em Gado de Corte da USP (Universidade de São Paulo), a paranaense Angélica Simone Cravo Pereira é uma mulher de “carne, osso e fibra”. Formada em medicina veterinária por influência de seu padrinho, fazendeiro no Paraná, ela fez mestrado, doutorado e pós-doutorado pela Universidade de São Paulo, onde atua como professora do Departamento de Nutrição e Produção Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ-USP).

Seu primeiro estágio curricular, em meados de 2000, foi na gigante Agropecuária Jacarezinho, referência na produção de Nelore CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção) no País, com um sistema focado na pecuária a pasto de alta produtividade desde os tempos de Valparaíso, SP (atualmente, todo o trabalho de cria ocorre no oeste da Bahia).Essa trajetória do campo à sala de aula foi fundamental, segundo ela, para que pudesse compreender a relação de cada etapa da produção para a qualidade da carne, nicho no qual se especializou anos mais tarde. Em 2007, Angélica tornou-se certificadora da Associação Brasileira de Angus (ABA), atuando primeiramente na VPJ Alimentos, em Jaguariúna, a primeira planta a obter o processo de certificação no Estado de São Paulo.

Atualmente, ela é consultora em qualidade de carne da Angus, trabalho que também toca no Frigorífico Dom Glutão, em Leme, região leste de SP, em unidade de processamento que atende tanto o mercado interno quanto externo. Mas é na universidade que Angélica diz ter encontrado seu propósito de carreira: unir a experiência prática à pesquisa científica, atuando em temas importantes para toda a cadeia produtiva, especialmente no que diz respeito às demandas da indústria e do consumidor final.

Angélica orienta mais de 10 alunos de pós-graduação, rotina que concilia com a tarefa de mãe de Maria Giulia, de apenas três anos, fruto de seu casamento com Fernando Baldi, pesquisador da Unesp de Jaboticabal, SP, com quem integra também o corpo de pesquisadores da ANCP (Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores). Veja, a seguir, os principais pontos da entrevista concedida à repórter Carolina Rodrigues, em meados de janeiro.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: