CNA: documento vai mostrar posicionamento do agronegócio nacional para COP25

Documento pede que a comunidade internacional reconheça os esforços já realizados pelos produtores brasileiros para a redução das emissões de gases do efeito estufa

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) deve entregar no sábado, 7, o posicionamento do agronegócio brasileiro para a 25ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP) em Madri, na Espanha.

“Desde a celebração do Acordo de Paris, o total de emissões evitadas atingiu 240 milhões de toneladas de gás carbônico. Além disso, a Política Nacional de Biocombustíveis (Renovabio) propõe reduzir os GEEs em mais 10% na matriz de transportes nos próximos 10 anos”, ressalta o posicionamento.

Continue a leitura após o anúncio

Construído com a participação das entidades do setor, o posicionamento reforça o compromisso do produtor rural com a redução das emissões de gases de efeito estufa com adoção de tecnologias de baixa emissão de carbono e boas práticas agrícolas. Pede também que a comunidade internacional reconheça os esforços já realizados pelos produtores brasileiros como ações antecipadas de mitigação, informa a CNA, em comunicado.

Além disso, o documento destaca que o setor privado está comprometido com a transformação agropecuária por meio de projetos que permitam incorporar tecnologias e ações para uma produção mais resiliente. Outro compromisso assumido pelo agro é aumentar a geração de bioenergia e biocombustíveis a partir da biomassa da cana-de-açúcar para substituir a matriz de combustíveis fósseis.

A conservação da vegetação nativa em áreas privadas no Brasil alcança 218 milhões de hectares, área equivalente à superfície de 10 países europeus, de acordo com dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Outro item do posicionamento levanta a necessidade dos países que são considerados os que mais emitem gases de efeito estufa financiem, por meio de projetos de cooperação, doações ou transferência de tecnologias, as ações de adaptação de outros países como o pagamento por serviços ambientais. O tema, inclusive, está previsto no artigo 6.4 do Acordo de Paris.

“Esse documento vai externar para os negociadores brasileiros e internacionais, a ONU e os compradores do agronegócio brasileiro, o posicionamento e as expectativas do setor em relação à cúpula do clima”, afirmou o presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da CNA, Muni Lourenço.

A COP25 começou no dia 2 e prossegue até a próxima sexta-feira, 13, em Madri, na Espanha. O objetivo é discutir as obrigações dos países para o cumprimento do Acordo de Paris, previsto para entrar em vigor em 2020.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO