CNA quer foco em mercados que importem alimentos

Entidade vê maior interesse em negócios com países asiáticos, como China e Coréia do Sul
Foto: Ivan Bueno/APPA

A superintendente de Relações Internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Ligia Dutra, citou nesta quarta-feira, 5, a abertura comercial como principal foco do setor para 2019 e cobrou que possíveis acordos firmados pelo Brasil priorizem mercados de forte interesse para o país. E citou países asiáticos, como China e Coreia do Sul, com consumo crescente de alimentos e produtos do agronegócio.

“O Brasil tem acordos com economias que consomem menos alimentos e muitos deles são concorrentes. Precisamos de acordos com mercados que realmente importam alimentos”, disse a executiva em evento da CNA, na sede da entidade, em Brasília (DF). Ligia disse ainda que o Brasil tem alta dependência de clientes externos e que 64,4% das exportações do setor estão concentradas em cinco mercados. “Precisamos de mais parceiros e destinos; não é bom depender de apenas um comprador”, afirmou.

Outros entraves, de acordo com a superintendente da CNA, são as dificuldades do Brasil para negociar no mercado internacional, com o pagamento de tarifas elevadas e as dificuldades de se obter certificações sanitárias e fitossanitárias. Por isso, segundo ela, as propostas para 2019 são diversificar a pauta exportadora, incluir pequenos e médios produtores no processo de exportação, a celeridade nas negociações de acordos fitossanitários e fortalecimento nas relações com países asiáticos.

Tabela do frete

A CNA também pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), como medida cautelar, a suspensão de multas a transportadores pelo descumprimento da tabela obrigatória de fretes rodoviários. O pedido foi incorporado à ação da entidade que tramita no STF e que pede a inconstitucionalidade da lei do tabelamento. “Se questionamos a inconstitucionalidade não faz sentido o pagamento de multas”, disse Rudy Ferraz, chefe da assessoria jurídica da CNA.

A expectativa da entidade é de que essa demanda pontual seja julgada pelo relator do processo, ministro Luiz Fux, antes do dia 20, quando começa o recesso no Judiciário. Não há previsão para o julgamento do mérito da ação.

O presidente da CNA, João Martins, afirmou que a tabela de fretes foi criada “por uma excrescência de política errada”, com aumentos mensais dos preços do diesel que causaram a greve de caminhoneiros, em maio deste ano, e, posteriormente, a legislação.

“Com correções devidas e anulação de impostos, o diesel vai chegar a um preço que a tabela não tem razão de existir. Mas vamos continuar a bater que não concordamos”, afirmou Martins.

Fonte ESTADÃO CONTEÚDO

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Posts Relacionados:

Menu

GALERIA DE FOTOS DO INSTAGRAM

Acompanhe e compartilhe:

Fechar Menu
×
×

Carrinho