Com dólar nas alturas, mercado de defensivos recuará 11,8% em 2020

Segundo a Sindiveg, a maior parte dos custos da indústria é na moeda estrangeira, em virtude da importação de matérias-primas

A escalada do dólar ante o real ao longo deste ano terá impacto negativo sobre o mercado de defensivos agrícolas. O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) projeta queda de 11,8% da receita em dólar em 2020, para US$ 11,994 bilhões. No ano passado, a indústria movimentou US$ 13,603 bilhões.

Já em moeda brasileira, o faturamento deve crescer 7,8% em 2020. Com o real depreciado ante o dólar, a receita das empresas em real acaba se convertendo em montante menor em dólar do que se a divisa norte-americana estivesse menos valorizada. Além disso, a maior parte dos custos da indústria é na moeda estrangeira, em virtude da importação de matérias-primas.

“Até outubro, a perda cambial foi de 22% para o setor. Ainda não foi possível repassar integralmente o aumento dos custos (a compradores)”, disse o presidente do Sindiveg, Julio Borges Garcia. Em 2019, o valor do mercado de defensivos no Brasil foi maior do que em 2018, tanto em dólar (1,7%) como em real (15,2%). A pedido da reportagem, o Sindiveg também informou que a área tratada com defensivos agrícolas em 2020 deve aumentar 6,5% na comparação com 2019, atingindo 1,664 bilhão de hectares.

O cálculo considera a área que recebeu agroquímicos multiplicada pelo número de produtos usados e pelo quantidade de aplicações de cada produto na mesma lavoura. Em 2019, a área tratada alcançou 1,562 bilhão de hectares. O avanço em 2020 é semelhante ao verificado em 2019, de 6,8%.

Garcia explica que o crescimento, neste ano, se dá por dois fatores principais: ampliação da área plantada no País e maior pressão de insetos sugadores (como percevejos, cigarrinha-da-cana e cigarrinha-do-milho), doenças (ferrugem asiática e mancha-alvo na soja e ramulária no algodão) e plantas daninhas resistentes (com destaque especial para caruru e buva).

“A alta incidência demanda reforço nos cuidados com manejo e controle destas pragas”, disse o executivo. Garcia reforçou que o Sindiveg e as empresas associadas vêm reforçando ações para difundir boas práticas na aplicação de agroquímicos no campo, a fim de garantir que as recomendações de bula e de órgãos reguladores sejam seguidas.

Área tratada

A área tratada com defensivos agrícolas no País entre janeiro e setembro deste ano aumentou 7,1% em comparação a igual período do ano passado, alcançando 904,1 milhões de hectares. Há um ano, eram 844,5 milhões de hectares. As culturas da soja e do milho, assim como em 2019, tiveram maior peso no resultado, representando 34% e 24%, respectivamente, da área que recebeu agroquímicos.

Já a receita com a venda dos produtos caiu 7,8% no acumulado do ano até setembro, chegando a R$ 7,128 bilhões, segundo dados divulgados pelo Sindiveg.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.