Como funcionam os bastões marcadores

Nova técnica para avaliação de cio depende da aplicação de tinta colorida na região sacro-caudal das vacas

Já está disponível no site da Embrapa Pantanal a Circular Técnica “IATF + Cio: estratégia prática de avaliação de cio e aumento de prenhez”, que explica o funcionamento da tecnologia dos bastões marcadores para a pecuária de corte.

A pesquisa que deu origem à circular foi desenvolvida pela equipe de produção da Embrapa Pantanal e parceiros externos em vacas de rebanho de corte no Pantanal e Cerrado. O bastão marcador é uma técnica que constitui da aplicação de tinta colorida na região sacro-caudal das vacas logo depois da retirada de implantes utilizados na inseminação. Seu uso pode detectar o cio e melhorar a taxa de prenhez de IATF (Inseminação Artificial por Tempo Fixo).

A intensidade da monta avaliada pela retirada da tinta indica se a vaca tem alta expressão de cio, média expressão de cio ou se está sem cio. Apesar da IATF não necessitar de detecção de cio, o estudo em questão foi realizado e validado após outros trabalhos demonstrarem que vacas que expressam cio antes do momento da IATF têm maiores taxas de prenhez, o que é de grande interesse para o produtor.

De acordo com o pesquisador Eriklis Nogueira, da Embrapa Pantanal, Corumbá, MS, a marcação com a tinta será modificada após tentativas de monta por rufiões ou das próprias vacas nos lotes de IATF, que apresentam comportamento homossexual e montam umas às outras. Esse contato elimina ou atenua a intensidade da tinta. Assim, se a marcação permanecer forte, significa que a vaca está sem cio; se desaparecer, indica que o animal tem alta expressão de cio; se houver pouca remoção da tinta, a vaca apresenta média expressão de cio.

A pesquisa envolveu 3.830 vacas Nelore, todas entre 30 e 50 dias pós-parto, das fazendas São Bento, Bom Jardim, Morrinho, Ventania e Bocaiúva, localizadas no Mato Grosso do Sul, em áreas do Pantanal e do Cerrado. Foi verificada uma diferença de 20% a mais de prenhez em vacas com alta expressão de cio em relação àquelas que não apresentaram cio.

O estudo foi além da viabilidade do uso dos bastões marcadores em gado de corte – Eriklis diz que a técnica é bastante utilizada em vacas leiteiras. Após detectar o nível de cio, a pesquisa avançou na sugestão de tratamento para aumentar a taxa de prenhez entre os animais de menor expressão de cio, com a aplicação de indutores de ovulação.  

A publicação pode ser acessada clicando aqui.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.