[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Revista DBO: Como prevenir a raiva bovina

O professor titular da FMVZ-USP e colunista da Revista DBO, Enrico Ortolani, fala sobre a prevenção da raiva bovina, causa de estimadas 30 mil a 40 mil mortes de reses por ano no Brasil

Equipe do serviço de defesa animal preparada para captura dos morcegos no interior de São Paulo.

Enrico Ortolani – professor titular da FMVZ-USP, médico veterinário e colunista da Revista DBO  – [email protected]

Inicio com o ditado popular: “prevenir é melhor do que remediar”. A prevenção da raiva deve ser feita em dois planos: o primeiro focado na epidemiologia, que analisa os riscos, os focos e as regiões onde a doença campeia ou acabou de aparecer; o segundo, dentro de cada propriedade. Enquanto, no primeiro, as avaliações devem ser feitas “com drone”, ou seja, olhando do alto, o segundo deve ser averiguado “com lupa”, investigando-se as condições de seu rebanho e do meio ambiente. O sucesso do controle somente ocorre se os planos interagirem entre si.

Vamos trocar em miúdos. No plano maior, devem atuar o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e os Serviços Estaduais de Defesa Animal. Teoricamente, o Mapa coordena tudo e dá as diretrizes por meio do Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), além de fiscalizar e auditar as atividades nos Estados, podendo fornecer apoio financeiro a estes, para tal combate.

Aos Estados cabem as tarefas mais difíceis: a execução do plano, por meio da vigilância e atendimento técnico às propriedades que têm surto; controle e fiscalização da vacinação emergencial; ações de educação sanitária; monitoramento e controle da população de morcegos em abrigos; encaminhamento de amostras para o diagnóstico em laboratórios credenciados e informação dos dados ao Mapa. Ufa!

Falta coordenação

O Programa foi bem elaborado, as tarefas de cada um dos integrantes são bem claras, mas tal qual ao combate nacional à Covid-19, o sistema carece de eficiência. Parece um pouco o “golpe da pirâmide”, que estoura no elo mais fraco: os Estados. Aqueles menos estruturados e organizados simplesmente deixam de fazer suas tarefas e o Mapa finge que elas foram cumpridas. Citei, no artigo anterior, alguns Estados que não detectaram nenhum ou apenas um único foco de raiva em 2019, considerando-se que a grande maioria subnotificou esses focos. A detecção de vírus em morcegos é bem pouco feita Brasil afora.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: