Conab: quarta estimativa para safra 2021/22 indica 284,39 milhões de toneladas

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento, o destaque fica por conta da soja, com aumento de área semeada de 3,8%

A produção de grãos no Brasil na safra 2021/22, em fase inicial de colheita para algumas culturas, deve atingir 284,39 milhões de toneladas, um incremento de 12,5%, ou 32 milhões de toneladas a mais, em comparação com o período anterior 2020/21 (252,79 milhões de t).

Os números fazem parte do quarto levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta terça-feira.

Segundo a Conab, o destaque fica por conta da soja, com aumento de área semeada de 3,8%.

A produção estimada é de 140,50 milhões de toneladas, mantendo o País como o maior produtor mundial da oleaginosa. O resultado é 2,3% maior ante 2020/21 (137,32 milhões de t).

VEJA TAMBÉM | Exportação de soja em grão foi 5,2% maior em 2021, afirma Anec

Outro destaque é a safra de trigo, que foi encerrada com recorde de produção. Os triticultores colheram 7,68 milhões de t do cereal, aumento de 23,2% em comparação com o ano passado (6,23 milhões de t).

“O resultado final ficou acima do obtido na temporada passada, mesmo com as adversidades climáticas, com períodos prolongados de estiagem e a incidência de geadas registradas em parte do ciclo, que reduziram o potencial produtivo. No entanto, o bom incremento de área plantada, visualizado neste ano, favoreceu o desempenho da cultura”, diz a Conab.

Conforme a estatal, atualmente a produção total de milho, considerando a primeira, segunda e terceira safras, está estimada em 112,9 milhões de toneladas, o que corresponde a um aumento de 29,7% ante 2020/21 (87,05 milhões de t), apesar dos problemas de estiagem, principalmente na Região Sul e no sul de Mato Grosso do Sul.

A primeira safra de milho, de verão, deve atingir 24,79 milhões de t, pequeno aumento de 0,3% ante 2020/21 (24,72 milhões de t).

VEJA TAMBÉM | Milho: clima seco no Sul mantém vendedores afastados e preços, em alta

Outras culturas também apresentaram bons números, como o algodão, que obteve crescimento de 12,5% na área a ser semeada, em um total de 1,5 milhão de hectares, e com a produção de pluma estimada em 2,71 milhões de toneladas. A produção da pluma deve ser 14,8% maior ante a safra passada (2,36 milhões de t).

Já o arroz teve redução de 0,7% na área a ser semeada em virtude do cenário mercadológico. A produção está projetada pela Conab em 11,38 milhões de t, queda de 3,2% ante 2020/21 (11,75 milhões de t).

O feijão primeira safra seguiu a tendência e teve redução de 2% na área a ser semeada e volume 988,4 mil toneladas (aumento de 1,2% ante 2020/21, 976,6 mil t).

Já a produção total de feijão no País, somando-se as três safras, está estimada em 3,08 milhões de toneladas (aumento de 7,2% ante o período anterior, 2,88 milhões de t).

Em dezembro, segundo a Conab, com a finalização da semeadura da maioria das culturas de primeira safra, a estimativa da área total a ser cultivada no País em 2021/22 é de 72,11 milhões de hectares, um crescimento de 4,5% sobre a safra anterior.

“Nesse contexto, estão incluídas as culturas de segunda safra, com os plantios entre janeiro e abril, e as culturas de terceira safra, entre abril e junho”, explica a Conab.

A estatal destaca, ainda, que, para o cálculo das estimativas de produção das culturas de segunda e terceira safras do ciclo 2021/22, foram utilizadas metodologias estatísticas específicas, uma vez que ainda há indefinições sobre a área a ser cultivada, assim como a produtividade das culturas. As áreas destinadas às culturas de segunda e terceira safras serão atualizadas ao longo dos próximos levantamentos.

Com relação ao clima, o mês de dezembro fechou o ano de 2021 com grandes volumes de chuva, chegando a ultrapassar a média em diversas regiões do Brasil.

“No norte de Minas Gerais e no sul da Bahia, onde esse quadro foi mais extenso, o total de chuvas foi o maior das séries históricas de dezembro, especialmente nas localidades de Lençóis, Ilhéus e Caravelas”, ressalta o gerente de Acompanhamento de Safras, Rafael Fogaça. “No Centro-Oeste, as condições atmosféricas foram favoráveis, mas no Sul, a chuva registrada não foi suficiente para atingir a média em grande parte da região, o que prejudicou a produção no “Estado”, conclui Fogaça.

VEJA TAMBÉM | Panorama climático para pecuária até o outono de 2022

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.