Conab aponta produção próxima a 289,8 milhões de toneladas de grãos na safra 2021/22

Com relação à área total cultivada no País, a estimativa para esta safra é de 71,8 milhões de hectares semeados, um crescimento de 4,1% em relação à safra anterior

Impulsionada pelos bons volumes de chuvas, a semeadura das culturas de primeira safra avança por todo o País.

A segunda estimativa para o ciclo 2021/2022, divulgada nesta quinta-feira (11) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), indica que o Brasil deve produzir 289,8 milhões de toneladas de grãos, 14,7% ou 37 milhões de toneladas superior ao obtido em 2020/21.

Com relação à área total cultivada no País, a estimativa para esta safra é de 71,8 milhões de hectares semeados, um crescimento de 4,1% em relação à safra anterior.

Nesse total, estão incluídas as culturas de primeira safra, semeadas entre agosto e dezembro de 2021, as de segunda safra, semeadas entre janeiro e abril de 2022, e as culturas de terceira safra, semeadas entre meados de abril e junho de 2022.

O boletim destaca ainda os aumentos na produção de soja, com crescimento de 3,5% na área a ser cultivada, e de milho, sobretudo o de segunda safra, que foi severamente afetado pela situação climática adversa na safra anterior.

SAIBA MAIS | Com alta do dólar, safra agrícola alcançou valor recorde de R$ 470,5 bilhões em 2020

No caso da oleaginosa, a produção estimada é de 142 milhões de toneladas, mantendo o país como o maior produtor e exportador mundial. Quanto ao milho, o volume total de produção deve chegar a 116,7 milhões de toneladas, com aumento de 2,5% na área a ser cultivada com a cultura de primeira safra.

O algodão também apresenta aumento na produção. A ampliação de 9,3% na área a ser semeada, chegando a 1,49 milhão de hectares, influencia para uma melhor produção, estimada atualmente em 2,65 milhões de toneladas de pluma.

O arroz traz um crescimento de 0,3% na área a ser semeada e previsão de 11,5 milhões de toneladas. Já para o feijão, a estimativa é de 3,6% a mais na produção da primeira safra, totalizando um milhão de toneladas, somando-se os tipos cores, caupi e preto. A produção total da leguminosa no país, somando-se as três safras, é estimada em 3,1 milhões de toneladas.

No caso do trigo, a safra 2021 ainda está sendo colhida, com um volume de produção previsto atualmente em 7,68 milhões de toneladas.

Devido às indefinições em relação à produtividade a ser obtida das culturas que ainda serão cultivadas, a Conab utilizou métodos estatísticos para o cálculo das estimativas das produtividades das diferentes culturas neste levantamento.

Mercado – Com relação ao mercado externo, o algodão em pluma e a soja seguem com cenário positivo. Neste levantamento, a Conab manteve estável em 2,1 milhões de toneladas a previsão do volume exportado da fibra na safra 2020/21.

Já para a soja, a estimativa é que sejam embarcadas 84,42 milhões de toneladas, 1,74% a mais em relação ao último levantamento e 3,58% em relação a 2020. Para o milho, foi reduzida a estimativa de 20 milhões de toneladas exportadas para o ano safra, que vai de fevereiro de 2021 a janeiro de 2022.

Quanto ao trigo, a estimativa dos estoques de passagem é de 790 mil toneladas, uma queda de 27,6%, em função dos problemas que afetaram a produtividade. Embora tenha havido queda, a projeção é de recuperação dos estoques em relação ao último ano safra, finalizado em agosto deste ano.

Em relação aos preços recebidos pelos produtores nas principais praças, observou-se no levantamento realizado pela Conab as seguintes reduções no mês de outubro, em comparação com o mês de setembro: diminuição de 4,4% na cotações do arroz no RS; de 6,04% no feijão cores em SP; de 6,63% no feijão preto no PR; de 3,04% no milho no PR; redução de 0,51% no preço do trigo no PR; e ainda de 3% para a soja em MT.

Por outro lado, as elevações de preços para os produtores foram de 0,92% na soja do PR, de 2,8% do milho no MT e de 10,98% nos preços do algodão em MT.

Quadro de Oferta e Demanda – Neste levantamento de safra a Conab também divulgou os quadros de oferta e demanda da soja para as safras 2020/21 e 2021/22. Durante este intervalo, a Companhia promoveu ajustes metodológicos. Entre eles, a revisão da produção anunciada em agosto de 2020, quando ocorreu uma reavaliação dos dados primários, fato que indicou a necessidade de um ajuste na produtividade das safras 2013/14 a 2019/20.

Fonte: Ascom Conab

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Live: Controle de moscas

É HOJE! Nesta terça-feira, 7, a partir das 18:30h, o projeto Manejo Eficiente, parceria da DBO com a Elanco, debate o tema controle de moscas. O repórter Renato Villela conversa com o veterinário Octaviano Pereira, gerente técnico de bovinos de corte da Elanco; não perca!

Live: Controle de moscas

É HOJE! Nesta terça-feira, 7, a partir das 18:30h, o projeto Manejo Eficiente, parceria da DBO com a Elanco, debate o tema controle de moscas. O repórter Renato Villela conversa com o veterinário Octaviano Pereira, gerente técnico de bovinos de corte da Elanco; não perca!

Publieditorial

Cromo: Mineral essencial para bovinos de corte

O cromo é um dos principais minerais utilizados na nutrição de bovinos de corte em todas as fases da vida produtiva, e é reconhecidamente essencial para o organismo dos animais e humanos há mais de 40 anos.

Cromo: Mineral essencial para bovinos de corte

O cromo é um dos principais minerais utilizados na nutrição de bovinos de corte em todas as fases da vida produtiva, e é reconhecidamente essencial para o organismo dos animais e humanos há mais de 40 anos.

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.