Confinamento pode crescer 7% em 2019, avalia analista

Agrifatto espera que 5,3 milhões de cabeças sejam terminadas no cocho até o fim do ano

Mesmo com alta no preço dos grãos e dos animais reposição nos primeiros meses do ano, o confinamento de bovinos. De acordo com projeções da Agrifatto, a expectativa é de que 5,2 milhões a 5,3 milhões de cabeças sejam terminadas no cocho, respondendo pelo crescimento de 5% a 7% em relação ao desempenho do ano anterior, quando a consultoria estima que o confinamento foi de 5 milhões de cabeças.

Continue a leitura após o anúncio

A expectativa da analista de mercado Lygia Pimentel é que o crescimento da atividade seja mais forte no segundo giro, com animais entrando em confinamento em agosto e saindo entre os meses de outubro e novembro.

Durante o período, a analista prevê que o preço da arroba alcance valores recordes no mercado físico, sendo impulsionada pelo ritmo acelerado das exportações de carne bovina; a baixa oferta de gado terminado; e a potencial retomada no consumo interno, como já foi noticiado pelo Portal DBO.

“Essa reação de preços irá compensar o gasto com a reposição e fará com que as cotações no mercado futuro disparem”, prevê Lygia.

Além da reação da arroba, a analista destaca que outro fator de incentivo para a atividade no segundo semestre é a provável queda no gasto com alimentação, devido a colheita da segunda safra de milho. “Esse movimento causará uma grande pressão nos preços dos grãos e as cotações devem ceder, aliviando um pouco o bolso do confinador e permitindo que ele consiga uma boa rentabilidade”, concluiu.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO