Confinamento: recuo de R$ 13,60 na arroba põe em risco rentabilidade em MS e Pará, aponta consultor

O zootecnista Rogério Marchiori Coan, da Coan Consultoria, apresentou a atualização de sua análise feita para a Revista DBO de junho sobre a viabilidade econômica dos confinamentos

Exatos 48 dias separam as análises de viabilidade econômica para os confinamentos em diversas regiões no País. No entanto, entre uma e outra, um fator foi definitivo para o revés na atividade de engorda intensiva de gado em Mato Grosso do Sul e no Pará: a redução de R$ 13,60 do preço da arroba no contrato futuro (setembro de 2021).

Originalmente a análise do zootecnista Rogério Marchiori Coan, da Coan Consultoria, de Ribeirão Preto (SP), foi publicada na edição da revista DBO de junho, com um valor da arroba R$ 338 (28/05/2021).

Na sexta-feira (16), no programa DBO em Foco, Coan apresentou os dados revisados com a cotação de um dia antes (15/7), R$ 324,40.

Confira aqui o estudo revisado (arquivo PDF)!

Foto: Divulgação

“Imagina um boi de 20 arrobas, com cerca de R$ 14 reais a menos. Nós estamos falando de R$ 280 a menos de margem operacional e isso impacta muito a viabilidade da operação”, diz Coan.

Além do consultor de Ribeirão Preto, o programa contou com a participação do economista agroindustrial Thiago Bernardino de Carvalho, pesquisador e analista de pecuária do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), de Piracicaba (SP). O programa DBO em Foco traz sempre convidados que participaram de reportagens e artigos publicados na revista.

Razões do prejuízo

O fator do preço é o que chama mais a atenção na análise de viabilidade. No entanto, outros fatores também contribuem para que o panorama do 1º giro do confinamento se tornasse mais desafiador em propriedades sul-mato-grossenses e paraenses.

Entre eles, estão a manutenção dos preços dos insumos em patamares elevados, a pressão pela falta de disponibilidade de insumos no próprio Estado e o diferencial do preço da arroba nos Estados.

A análise de Rogério Coan considerou 5 possíveis cenários: dois de preços menores ao da arroba contratada; dois de preços acima da arroba; e um fixado no preço do contrato futuro. A situação é pior em Mato Grosso do Sul e no Pará justamente num cenário em que a arroba está cotada como foi fixada no contrato futuro.

Em Mato Grosso do Sul, os confinadores teriam um prejuízo de R$ 137,48 por animal vendido; enquanto no Pará as perdas seriam maiores – R$ 246,99 a menos por bovino.

Por outro lado, Mato Grosso, São Paulo, Minas Gerais e Goiás registrariam as melhores condições de negócios, com lucro por animal vendido de R$ 334,69, R$ 270,23, R$ 244,66 e R$ 209,71, respectivamente.

Confinamentos mais cheios de boi garantem mais lucro em Mato Grosso, segundo Coan. Foto: Divulação/LFPEC

“Estados como Mato Grosso e Goiás são tradicionalmente os maiores produtores de grão e são operações que permanecem com menor ociosidade, ou seja, permanecem ao longo do ano mais cheios e por isso o custo operacional por cabeça/dia é baixo”, diz Coan.

O que esperar do 2º giro?

Para Carvalho, o cenário ainda está um tanto nebuloso para o 2º giro do confinamento este ano, por conta da tendência de alta dos insumos, bem como sobre a oferta de animais de reposição.

Foto: Divulgação

“Se esse ano houver um crescimento no confinamento, será muito pouco”, avalia Carvalho.

É em momentos como esse que o pecuarista tem de se atentar cada vez mais num planejamento mais apurado e ter os seus custos na palma da mão. Para ele, só desta maneira os pecuaristas poderão se sobressair.

“A atividade não cabe mais amadorismo. Se a gente já vinha falando a muito tempo sobre a necessidade de se profissionalizar, a cada vez mais, o espaço realmente vai ficando pequeno para quem se aventura sem planejamento”, frisa o pesquisador do Cepea.

Confira a entrevista na íntegra:

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

Aprenda a produzir mais e melhor

O avanço da profissionalização na pecuária passa, necessariamente, pelo aprimoramento na gestão de equipes, assim como os resultados positivos

Aprenda a produzir mais e melhor

O avanço da profissionalização na pecuária passa, necessariamente, pelo aprimoramento na gestão de equipes, assim como os resultados positivos

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.