Consumidores de SP passam longe das bandejas de filé mignon

Por ser mais caro, é normal que o corte traseiro seja menos demandado em períodos de renda restrita

Em uma análise mais apurada sobre o comportamento do preço da carne bovina no atacado de São Paulo durante os primeiros meses deste ano, a Scot Consultoria, de Bebedouro, mostra que houve uma queda de 7,3% no valor médio do produto (considerando todos os cortes) desde o fim de dezembro de 2018.

“Essa baixa foi puxada pelos cortes de traseiro, que caíram 9,3% nessa mesma base de comparação”, observa a consultoria. Por sua vez, os cortes de dianteiro ficaram praticamente estáveis, com recuo de 0,3% no período analisado.

Como os cortes de traseiro normalmente são mais caros que os cortes de dianteiro, é normal que esses produtos sejam menos demandados em períodos de renda restrita, como o atual, relata a Scot.

“Este sintoma de falta de dinheiro no bolso dos consumidores fica nítido quando os produtos mais caros lideram as desvalorizações”, destaca a consultoria, acrescentando que o filé mignon teve seu preço reduzido em 15% desde o fim do ano passado

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Nova revolução no cocho

VEJA os destaques da edição de agosto e o Especial Confinamento; na capa, com quase nada ou zero volumoso, a chamada ‘dieta fast’ ganha os cochos, melhora o desempenho dos animais e simplifica as operações.

Revista DBO | Nova revolução no cocho

VEJA os destaques da edição de agosto e o Especial Confinamento; na capa, com quase nada ou zero volumoso, a chamada ‘dieta fast’ ganha os cochos, melhora o desempenho dos animais e simplifica as operações.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.