Contratações de crédito rural no ano-safra 2020/21 somam até agora R$ 147,57 bilhões

Valor é 18% maior em relação a igual período da safra anterior
Foto: iStock/Mapa

As contratações de crédito rural dentro do ano-safra 2020/21 somaram, entre julho de 2020 e fevereiro de 2021, um total de R$ 147,57 bilhões, o que representa uma alta de 18%, em relação a igual período da safra anterior. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (4/3) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Do total contratado até o momento, os recursos para investimento somaram R$ 47,33 bilhões (+40% ante igual período da safra anterior). Já para custeio, o total contratado foi 14% maior, com R$ 78,6 bilhões. Além disso, R$ 8,24 bilhões foram financiados para industrialização, valor 1% maior, e, por fim, R$ 13,34 bilhões foram destinados à comercialização, queda de 3% ante a safra anterior.

Segundo o ministério, a menor demanda de crédito para comercialização é explicada, principalmente, pela elevação dos preços agrícolas, que torna desnecessária a formação de estoques. “As maiores reduções por financiamentos dessa natureza foram observadas, principalmente, para os produtos relacionados à cesta básica, como leite (-36%), arroz (-26%), café (-7%), milho (-9%), trigo (-6%), bovinos (-6%) e suínos (-42%).”

A pasta atribuiu, ainda, o bom desempenho do crédito rural aos produtores de maior porte e a cooperativas, que abocanharam R$ 49,14 bilhões (ou 16% mais) para custeio e R$ 35,22 bilhões (+56%) para investimentos. Ambos os segmentos contribuíram com 62% do crédito de custeio e 74% do crédito de investimento.

Em relação ao Pronaf – linhas voltadas à agricultura familiar -, as contratações de custeio somaram R$ 12,11 bilhões e, no Pronamp (para o médio produtor), R$ 17,38 bilhões, com crescimento de 19% e 6%, respectivamente. Já para investimento foram contratados R$ 10,23 bilhões pelo Pronaf e R$ 1,88 bilhão no Pronamp, crescimento de 8% e 3%, respectivamente.

O Ministério da Agricultura observa também que, dentre as contratações de crédito rural efetivadas com recursos controlados (a juros subsidiados), no total de R$ 100,15 bilhões destaca-se a redução de 25% na utilização de recursos obrigatórios, se situando em R$ 27,19 bilhões, ao mesmo tempo em que a utilização de recursos da Poupança Rural Controlada aumentou 78%, atingindo R$ 42,45 bilhões.

O aumento na utilização de recursos das fontes não controladas (22%) foi superior ao das fontes controladas (17%). Na avaliação do diretor do Departamento de Crédito e Informação, Wilson Vaz de Araújo, isso confirma o acerto da política de diversificação das fontes de financiamento, com destaque para o aumento de 72% em recursos livres (de tesouraria ou próprios dos bancos), num total de R$ 12,16 bilhões, e de 15% nas contratações com recursos da fonte LCA, que ficaram em R$ 20,79 bilhões.

Em relação aos financiamentos realizados no âmbito dos programas de investimento, com recursos da fonte BNDES, administrados pelo Ministério da Agricultura, os programas que se destacaram, pelo valor contratado e respectivo aumento, foram o Moderfrota (linha voltada à aquisição de máquinas agrícolas), com R$ 7 bilhões (aumento de 33%); o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), com R$ 1,56 bilhão (+29%); o Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), com R$ 1,66 bilhão (+60%), e o Programa de Incentivo à Irrigação e à Produção em Ambiente Protegido (Moderinfra) com R$ 714 milhões contratados (+106%).

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.