[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Controle de plantas infestantes de pastagens – Parte 3

Na série sobre controle de plantas infestantes, publicada na edição de maio da Revista DBO, o zootecnista e consultor Adilson Aguiar trata dos métodos mais eficazes de aplicação dos herbicidas para cada situação

A pulverização com bomba costal é indicada somente para áreas com baixa infestação ou não mecanizáveis.

Por Adilson de Paula Almeida Aguiar – Zootecnista, professor em cursos de pós-graduação da Rehagro e das Faculdades Associadas de Uberaba (Fazu); consultor associado da Consupec (Consultoria e Planejamento Pecuário), de MG, e investidor nas atividades de pecuária de corte e leite.

Na edição de abril de 2021, listei os métodos disponíveis de controle de invasoras em pastagens, destacando que o controle químico é a alternativa mais eficaz e de melhor relação beneficio:custo para o produtor (R$ 1,1 a R$ 4,6 para cada R$ 1 despendido), embora nem sempre seja bem adotada. A agricultura conta com herbicidas específicos para pré-plantio (podem impedir a germinação de mais de 85% do banco de sementes das invasoras), além de pré e pós-emergência. Já as pastagens não dispõem das duas primeiras linhas de produtos, tendo de se valer apenas de herbicidas para uso em pós-emergência, que devem controlar as espécies infestantes e ser seletivos para as gramíneas forrageiras.

A seletividade depende de aspectos morfológicos das plantas e da habilidade da gramínea forrageira em degradar metabolicamente parte do herbicida que é absorvido (seletividade bioquímica). Aqui está mais um desafio para o consórcio de gramíneas/leguminosas, pois estas últimas são sensíveis aos ingredientes ativos dos herbicidas desenvolvidos para pastagens.

Algumas cultivares de capim-elefante e das gramas Cynodon sp (por exemplo, tifton) toleram ingredientes ativos de herbicidas graminicidas que podem ser aplicados em pré-plantio, em pré-emergência e em pós-emergência.Além de seletivos, os herbicidas para pastagens são sistêmicos, ou seja, após a absorção, precisam ser translocados até o local de ação na planta infestante, por exemplo, até a raiz. Atuam nos meristemas, causando divisão celular e crescimento irregulares, além de desbalanceamento hormonal. A aplicação pode ser foliar, localizada e dirigida no caule, no toco ou na gema.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: