“Corona voucher” contribui para uma melhoria na demanda doméstica pela carne bovina

Confira a entrevista com o analista Leandro Bovo, sócio-diretor da Radar Investimentos, de São Paulo

Em conversa por e-mail com o Portal DBO, o analista Leandro Bovo, sócio-diretor da Radar Investimentos, de São Paulo, disse que auxílio emergencial oferecido pelo governo federal – “Corona voucher”, como ele chama o programa de ajuda financeira criado durante a pandemia da Covid-19 – ajudou a melhorar a renda de uma “parcela enorme da população”, o que contribui positivamente para a demanda interna pela carne bovina.

Continue a leitura após o anúncio

Segundo ele, o ritmo forte das exportações “enxugou o mercado, deixando menos oferta de carne bovina para o mercado interno, o que explica, em grande parte, os altos preços dos cortes no varejo, além dos avanços no valor da arroba bovina. No entanto, na avaliação de Bovo, esperar uma subida da arroba para um patamar em torno de R$ 300 no próximo ano seria “otimismo demais”.

Veja abaixo a conversa com o Portal DBO:

DBO – O valor da arroba, a prazo, no mercado físico, vai se aproximando de R$ 250. No mercado futuro, ainda não chegou a isso em nenhum mês do ano. O contrato de outubro, pico da entressafra, já não deveria estar refletindo preços mais altos da arroba na B3? O que você acha?

Bovo – O mercado futuro neste ano trabalhou quase sempre abaixo dos preços do mercado físico. Não acho que essa estrutura de precificação sofrerá grandes mudanças. Fica difícil colocar ágio em patamares tão altos como estamos atualmente. Então, provavelmente, caso o mercado futuro tenha novas altas, acredito que elas ocorrerão “puxadas” pelo mercado físico. E não o contrário.

DBOAssim como arroz, a carne bovina vem subindo de preço no varejo. Você acha que a demanda interna da carne bovina pode cair diante dos aumentos dos preços dos alimentos?

Bovo – A demanda por carne no mercado interno sempre foi bastante sensível ao nível de preços da mercadoria, porém, neste ano, temos três fatores muito fortes influenciando essa dinâmica. Primeiro a transferência de renda do governo para a população através do chamado “Corona voucher”  foi enorme e isso melhorou a renda de uma parcela enorme da população. Segundo, as exportações cresceram muito e aumentaram a sua importância em relação ao mercado interno. Daí num ambiente de baixa oferta como o atual, as exportações enxugam o mercado, deixando menos oferta de carne para o mercado interno. Então, mesmo que a diminuição da demanda ocorra diante da alta de preços, a diminuição da oferta está sendo maior, fazendo com que os preços permaneçam altos. E o terceiro fator foi que o confinamento e o semiconfinamento, que são fundamentais para a oferta no período de entressafra, não foram em nenhum momento estimulados via mercado futuro, ou via uma combinação favorável de preços de boi magro e insumos de alimentação. Com essa falta de estímulo, pouca gente confinou ou semi-confinou, e faltou oferta.

DBONa sua opinião, assim como o arroz, é o bom desempenho das exportações que puxa sobretudo os preços da arroba para cima (e consequentemente o valor da carne bovina no atacado e no varejo)?

Bovo – Sim, o aumento das exportações aliado à baixa oferta de animais para abate pela retenção de fêmeas (ciclo pecuário de alta), além de uma conta do confinamento muito apertada, devido aos altos custos da compra de insumos e de boi magro. Isso tudo aliado ao fato do mercado futuro ter sempre trabalhado abaixo do mercado físico, ou seja não ajudando a viabilizar o confinamento diante dos custos altos, colaborou ainda mais para a baixa oferta atual.

DBO – Você já enxerga uma arroba a R$ 300 lá para o começo do próximo ano?

Bovo – É muito difícil “cravar” valores da arroba para o ano que vem, mas penso que esperar preços tão altos assim seja otimismo demais. Se tivermos um dólar ao redor de R$ 5 para o ano que vem, uma arroba de R$ 300 corresponderia a US$ 60/@, um valor bastante elevado frente à nossa média dos últimos 10 anos, que é de US$ 47/@. Nossa carne ficaria cara frente ao mercado externo e ainda mais frente ao mercado interno, então esse nível de preço provavelmente não teria sustentação.

 

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO