Cresce a procura por garrotes e bois magros no mercado de reposição

A preferência pelos animais mais velhos deve-se aos menores gastos com nutrição em caso da engorda em confinamento, na comparação com as categorias mais jovens

O fluxo de negócios no mercado brasileiro de reposição mostrou leve reação ao longo desta semana, sobretudo em relação às vendas de categorias mais eradas, informa a consultoria IHS Markit.

“Foi observado aumento da oferta de animais no Centro-Oeste, região que geralmente apresenta maior liquidez, em função do tamanho do rebanho no Estado”, relata a IHS.

Os pecuaristas que ofertaram durante a semana lotes de boi magro e de garrote tiveram forte liquidez nos negócios.

A preferência pelos recriadores/invernistas por animais mais velhos deve-se aos menores gastos com nutrição em caso da engorda em confinamento, na comparação com as categorias mais jovens.

“A falta de liquidez para lotes de animais extremamente jovens é visível no mercado; há relatos de leilões que venderam apenas 50% dos lotes, todos de animais erados, enquanto o restante não comercializado era constituído por bezerros e bezerras”, informa a IHS Markit.

Segundo os analistas da consultoria, os compradores, além de optarem por garrotes em relação aos bezerros, preferem os animais de maior idade e peso em vez das novilhas.

Isso porque, em algumas regiões do País, as fêmeas mais velhas atingiram patamares de preços semelhantes aos valores de bovinos terminados. Porém, observa a IHS, a conversão alimentar da novilha é inferior à do boi magro, resultando em um custo maior com nutrição e, consequentemente, menor rentabilidade na engorda deste tipo de animal.

Nesse contexto, foi possível observar recuos dos níveis de preços de algumas categorias, em diversas praças pecuárias do Brasil, informa a IHS.

O indicado Esalq/Cepea do bezerro no Mato Grosso do Sul, por exemplo, fechou a quinta-feira (20/5) valendo R$ 3.053,71, com desvalorização mensal de 3,7%.

“O descasamento entre oferta e demanda resultou em variações negativas de preços para animais mais novos (machos e fêmeas entre 7 e 12 meses e também garrotes e novilhas entre 12 e 15 meses) nos Estados de SP, MG, MT, MS, GO, BA e RS”, relata a IHS.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.