Criadores de SP julgarão búfalos na Expointer 2022

Um se especializou na produção leiteira e de laticínios, enquanto o outro cria para corte

Convidados pela Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu), Caio Rossato, premiado pela produção de derivados do leite de búfala, e Jonas Assumpção, que se especializou na criação para corte, trarão a experiência de cerca de 50 anos no setor.

Rossato é presidente da Associação Brasileira de Criadores de Búfalos (ABCB) e Assumpção é o presidente do Conselho Administrativo da entidade.

Caio Rossato e Jonas Assumpção (Foto: Divulgação)

Sócio da Laticínios Família Rossato, de Pilar do Sul, região de Sorocaba (SP), Caio Rossato é também médico veterinário e disse estar bastante ansioso com a chegada da Expointer.

“Para nós é uma satisfação muito grande, pois estar na Expointer é como estar em uma festa familiar, estar em casa”, comentou.

Jonas Assumpção já é experiente em Expointer, tendo exposto e julgado animais na feira. Ele comenta que a particularidade principal que nota nos animais de corte abatidos no estado é o hábito de abaterem animais mais leves do que no restante do Brasil.

“Me parece que o peso oscila entre 420 e 450 quilos, enquanto que em São Paulo, por exemplo, a preferência é por animais terminados entre 520 e 580 quilos”, ressalta o criador.

A história de Assumpção na criação de bubalinos iniciou em 1969, na Fazenda Boa Vista, em Tietê (SP). Hoje, os búfalos de Assumpção estão concentrados em outra propriedade, em Itapeva, mais ao sul de São Paulo. “O plantel de Tietê foi vendido para um criador do Pará, da ilha de Marajó”, conta o criador.

Fonte: Ascom Ascribu

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.