Cuidados no pré-parto

A eficiência do sistema pecuário depende, dentre outros fatores, da produção de uma cria/vaca/ano. Alcançar essa meta, no entanto, não basta. É preciso garantir que o bezerro desmame saudável, pesado, e que sua mãe tenha boas condições corporais para emprenhar novamente. Para vencer esse desafio, DBO está lançando, em parceria com a Bayer, o projeto Crie Bem. Ao longo de quatro capítulos, você ficará por dentro dos cuidados sanitários, nutricionais e de bem-estar animal que deve tomar para melhorar o desempenho do seu rebanho e a rentabilidade de seu negócio. Acompanhe as novidades do projeto e conteúdos extras no endereço www.portaldbo.com.br/bayer-crie-bem

Proteja suas matrizes

A adoção de um programa sanitário é essencial para garantir maior eficiência reprodutiva do plantel. Doenças infecciosas são responsáveis por até 50% dos problemas reprodutivos durante a gestação, por provocar abortos ou perdas embrionárias. As principais são:

tabela-crie-bem-bezerro-bayer-dbo
armazenamento-vacina-bezerro

Armazenamento da vacina

Vacinas devem ser armazenadas na geladeira entre 2 °C e 8 °C. No dia da vacinação, forre a caixa com uma camada de gelo e só então acondicione os frascos. O preenchimento da caixa deve ser feito intercalando vacinas e gelo.

agulha 3

Tamanho da agulha

Para aplicação subcutânea (A), as agulhas mais utilizadas nas fazendas são as de dimensões 10 x 15 mm, 10 x 18 mm ou 15 mm x 15 mm. Para aplicação intramuscular (B), utilize agulhas entre 25 mm e 35 mm.

desinfecção-crie-bem

Desinfecção

Agulhas e seringas devem ser limpas com água corrente e sabão, colocadas em água fervente por 15 minutos, depois secadas em papel toalha e guardadas em local limpo. No dia da vacinação o ideal é trocar a agulha a cada dez animais.

contenção-crie-bem

Contenção individual

Sempre vacine o animal quando o mesmo estiver imobilizado no tronco de contenção individual. A medida minimiza eventuais erros de aplicação, como subdosagem, além de garantir mais segurança para o operador.

CONTEUDO EXCLUSIVO


Dicas para uma boa vacinação!

A vacinação é a melhor forma de prevenção contra as doenças reprodutivas, como a brucelose, IBR/BVD, leptospirose e campilobacteriose. 

Para que a proteção seja eficaz é preciso adotar um programa sanitário e tomar cuidados que vão da conservação da vacina aos cuidados na escolha e desinfecção das agulhas.

Conservação das vacinas

· As vacinas devem ser armazenadas na geladeira com temperatura entre 2 ºC e 8 ºC. Evite encostá-las na parede do fundo, pois podem congelar.

· Não deixa as vacinas na porta da geladeira, por causa do risco de oscilação da temperatura pelo ato frequente de abrir e fechar a porta.

· No dia da vacinação, certifique-se de que há gelo suficiente para a quantidade de vacina que se vai usar.

· Antes de retirar as vacinas, forre o fundo da caixa com gelo, para somente então acondicionar os frascos. Cubra-os com uma segunda camada de espessura (5 cm). Preencha a caixa intercalando vacinas e gelo 

· Leve sempre para o curral uma caixa contendo gelo extra

Cuidados com as agulhas!

· No dia da vacinação providencie o número de agulhas compatível com o número de animais a serem vacinados

· Troque a agulha a cada dez aplicações

· Após a troca, coloque a agulha para desinfetar em uma solução à base de amônia quaternária ou hipoclorito. 

· Evite soluções à base de iodo, pois corroem e “cegam” a ponta da agulha.

LEMBRE-SE: Agulhas têm prazo de validade. Uma agulha serve para vacinar aproximadamente 200 animais. Depois a ponta fica rombuda e, por isso, deve ser descartada em local adequado. 

Alimento, água, sombra e tranquilidade...

Os pastos reservados para a parição das matrizes, conhecidos como piquetes maternidade, devem oferecer espaço, sombra, alimento e água à vontade.É importante que o local escolhido fique longe de áreas com movimentações na fazenda, para que a vaca possa parir e reconhecer sua cria com tranquilidade.

arte_vaca tranquilis

Pontos importantes do piquete maternidade!

  • Vistorie o local antes do início das parições, tape buracos, retire pedaços de pau e assegure-se de que cercas e bebedouros estejam em ordem.
  • Evite a alta concentração de animais em piquetes pequenos, pois isso aumenta o risco de pisoteio e prejudica o reconhecimento da cria pela mãe.
  • Evite agrupar os lotes nas proximidades do parto, medida que causa estresse. O ideal é que a formação se dê logo após a confirmação da prenhez.
  • Mantenha animais domésticos, como cães e galinhas, afastados do piquete, pois sua presença pode levar a movimentações e causar acidentes com os bezerros.

Atenção às nulíparas!

criacao-bezerro-cuidados

As nulíparas (vacas de primeira cria) devem ficar separadas das multíparas, sempre que possível. Este manejo diminui o estresse
entre as categorias e ajuda a reduzir o risco de abandono dos bezerros, também conhecidos como guaxos.

Em caso de aborto...

feto-crie-bem-bezerro

Caso seja observado um aborto, recomenda-se coletar partes do feto e placenta para exame-laboratorial. Desse modo, é mais fácil identificar o agente patogênico que está causando a mortalidade fetal.

Confira na íntegra o 1º capítulo da série publicada na Revista DBO de outubro 2019

Preencha o formulário e baixe agora o PDF completo

Assine a Revista DBO e garanta os próximos capítulos impressos com informações técnicas e orientações sobre criação de bezerros.

Versão Impressa e digital

Fechar Menu
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: