Custos de produção registraram alta de 9% em 2018 no RS

De acordo com a Farsul, o resultado tem forte influência da taxa cambial que ficou 15% acima do que 2017
Foto: Pixabay

Embora tenha registrado queda de 0,86% no mês de dezembro, principalmente impactado pela queda no preço do diesel, o Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) do Rio Grande do Sul, medido pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), fechou 2018 com alta de 9,87%. De acordo com a Farsul, o resultado tem forte influência da taxa de câmbio média que ficou 15% acima do que 2017. A variação da taxa cambial reflete, especialmente, nos preços dos fertilizantes.

O levantamento também aponta uma redução de 2,3% no IIPR (Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais) em dezembro. Apesar da alta cambial, os principais grãos sofreram desvalorização no mercado internacional em virtude da expectativa de maiores estoques mundiais para a próxima safra. Entretanto, o acumulado do ano apresentou uma valorização de 14,48%.

Na comparação do IICP com o IPCA, ambos apresentaram crescimento, porém com o segundo apresentando um índice bem menor (3,75%). Entre o IIPR e o IPCA Alimentos é comprovado o descolamento entre ambos. Enquanto o IIPR vem acumulando crescimento desde março de 2018, o IPCA Alimentos teve sua primeira alta somente em junho, após meses de quedas consecutivas.

Fonte: Farsul

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

DNA de gestora

Quem observa a médica veterinária Carine Letícia Schneider Faifer (29 anos) em frente a uma das poucas escolinhas infantis de Chapadão do Céu (cidade goiana

Uma jovem pioneira

Aos 21 anos, Maria Vitória Faé Proença já é pecuarista famosa em Santa Catarina. Ela é dona da Fazenda Vitória, em Rio das Antas (207

Que modelo sucessório adotar?

Não são poucas as dúvidas das famílias rurais quando o assunto é sucessão. Além da delicadeza da questão, definir qual modelo adotar não é tarefa

Fechar Menu
×

Carrinho