De cevada à mandioca: os subprodutos que estão fazendo sucesso no cocho

Confinadores estão lançando mão de insumos mais econômicos para reduzir a conta com o milho no prato da boiada; OUÇA as opiniões 🎧

A conta da ração fica cada vez mais salgada para o confinador. Na semana passada, o índice do milho, calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), de Piracicaba (SP), ultrapassou a marca histórica dos R$ 100, e continua subindo.

Na quarta-feira (12/5), a média fechou em R$ 102,39 pela saca de 60 quilos. Em pensar que, há exato um ano, a mesma saca valia R$ 50,11, não é estranho notar que muitos pecuaristas optem por ingredientes alternativos ao milho.

VEJA TAMBÉM | Revista DBO: Fábrica de ração na fazenda é economia

O Portal DBO consultou alguns produtores e especialistas para saber quais ingredientes estão ocupando parte do espaço do cereal na formulação da ração. É válido lembrar que a substituição é apenas parcial, já que o potencial energético do milho é inigualável. Mas dependendo da região há opções interessantes como a cevada, a polpa cítrica, a mandioca e até a torta de dendê.

Agroindústria amazônica

Um dos confinamentos entrevistados que tem diversificado mais a alimentação do seu rebanho é o do grupo paraense Mercúrio Alimentos. Com sede em Ananindeua, o grupo tem dois confinamentos na região metropolitana da capital do Pará, Belém. Um no município de Santa Isabel do Pará e outro em Abaetetuba.

No ano passado, o grupo abateu 22 mil bovinos e a meta deste ano é terminar 36 mil animais. No cocho, além de volumoso e milho, também estão resíduos de mandioca, cevada, dendê e laranja. Os ingredientes alternativos são obtidos em agroindústrias próximas aos confinamentos e que processam esses alimentos.

(Foto: Arquivo Pessoal)

“Hoje, com preço do milho como está, conseguimos trabalhar bem com esses subprodutos, e tem compensado”, afirma o zootecnista Diogo Ramos Menezes, gestor do confinamento da Mercúrio Alimentos.

Segundo ele, a maior dificuldade é lidar com a conservação em função da alta umidade. A casca de mandioca chega a representar 40% de matéria seca e a cevada 40%.

Por isso, as compras são feitas somente quando há a disponibilidade dos produtos, sem fazer ter de fazer grandes estoques nas propriedades do grupo.

OUÇA o depoimento de Menezes:

Confinamento da Mercúrio Alimentos, na região metropolitana de Belém, PA (Foto: Divulgação)

“A cevada entra em torno de 7% a 8% da matéria seca da ração, a casca de mandioca entra em torno de 4% a 5%, e a torta de dendê em torno de 7%. No ano passado tivemos a disponibilidade de bagaço de laranja. O produto também tem um índice de umidade muito, com até 20% de matéria seca. Ele entrou em 12% da dieta”, diz Menezes.

SP e MS

Alguns confinamentos em Mato Grosso do Sul e São Paulo tem incluído nas dietas a polpa cítrica e subprodutos da mandioca, em regiões produtoras e beneficiadoras desses alimentos, segundo o zootecnista Ricardo Bernardo Tonetto, consultor técnico e comercial do paulista Grupo Bueno Cevacom, que distribui insumos aos produtores.

O porém esbarra no mesmo caso do milho: disponibilidade, especialmente a polpa cítrica, que Tonetto vê ficar mais cara até que o próprio milho.

“Se não fosse o preço e a disponibilidade, seria um ótimo item pois pode substituir 40% do milho. Já o resíduo de mandioca é um energético excelente, porém não temos disponibilidade suficiente no mercado”, avalia.

Toretto é especialista em resíduos para alimentação de bovinos, especializado em distribuição de cevada. Mas mesmo a cevada, tem suas limitações de uso, e recomendada em apenas em alguns casos.

“A cevada se enquadra bem quando eu penso em vacas de cria, com bezerro ao pé, e recebendo uma suplementação a pasto para passar uma seca mais prolongada, aí, sim, eu posso dispensar o milho. Agora, em um confinamento de alto desempenho, a estratégia é reduzir um pouco a quantidade de milho, mas nada expressivo, pois é preciso uma fonte energética para dar o acabamento nos animais”, explica.

OUÇA a recomendação de Tonetto de usos de subprodutos na dieta:

Preço também subindo

A estratégia da cevada já era uma tradição do pecuarista Antonio Roberto Alves Corrêa, com fazenda em Buri (SP), presidente da Associação Brasileira do Santa Gertrudis.

Com a oferta vinda de uma cervejaria próxima, Corrêa, que compra 25 toneladas diárias de resíduo do grão, com cerca de 25% de PB (proteína bruta) na matéria seca, pode rever sua estratégia.

(Foto: Arquivo Pessoal)

“O custo ainda está aceitável, mas já fomos avisados que a cevada deve ficar mais cara. Se subir muito, devo rever o uso dela”, diz Corrêa.

O subproduto serve como um substituto de volumoso, do farelo de soja e pouco do milho. Mas, pelas análises do produto, compensa mais usar integralmente sua silagem de milho. Até seria menos trabalho, já que o resíduo ainda vem com um nível considerável de umidade. “Acabo pagando pela água, que vou ter de secar depois”, diz o produtor. O confinamento de Corrêa possui capacidade estática de 2 mil bovinos e abate 6 mil animais, por ano.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.