Demanda desaquecida pressiona cotações de derivados lácteos

Segundo o Cepea, a desaceleração da demanda refletiu em um aumento dos estoques e na queda nos preços a partir da segunda quinzena de dezembro

As negociações dos derivados lácteos encerraram 2020 enfraquecidas. Segundo a pesquisa diária do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), realizada com o apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), os preços de derivados lácteos comercializados entre indústrias e atacado do estado de São Paulo iniciaram o mês de dezembro de 2020 em alta, mas houve desaceleração da demanda por lácteos, refletindo em aumento dos estoques e em consequente queda nos preços a partir da segunda quinzena daquele mês.

Apesar das consecutivas baixas, o valor do leite UHT negociado entre indústrias e o atacado do Estado de São Paulo registrou média de R$ 3,23 por litro em dezembro, elevação de 2,26% frente ao mês anterior, em termos reais (as médias foram deflacionadas pelo IPCA de dezembro de 2020).

No caso da muçarela, a média mensal foi de R$ 25,99/kg, diminuição de apenas 0,1% frente a novembro de 2020. A desvalorização mais intensa foi verificada para o leite em pó (400g), de 4,3%, com a média de dezembro/20 a R$ 22,79/kg.

Mesmo com a tendência de queda no final de 2020, os preços dos derivados lácteos ainda estiveram em patamares elevados quando comparados aos de 2019. De um ano para o outro, houve aumento real de 28,15%, 36,47% e 34,57% nos preços do leite longa vida, queijo muçarela e leite em pó (400g), respectivamente.

Janeiro

Com consumo ainda enfraquecido, as cotações dos derivados na primeira quinzena de janeiro de 2021 seguiram pressionadas. No mercado de queijo muçarela, a média parcial do mês (até 15) foi de R$24,34/kg, recuo de 6,36% frente a dezembro de 2020. Para o leite longa vida, a média no mesmo período foi de R$ 3,04/litro, 6,01% menor que o mês anterior. O leite em pó (400g), por sua vez, teve negociações mais atrativas e conseguiu se valorizar 2% frente a dezembro/20, com a média da parcial de janeiro a R$ 23,26/kg

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.