Dia a dia do mercado pecuário em 8 de março

Preço do boi sobe em São Paulo, mas inflação ainda pressionada valor do animal. Confira as principais notícias de mercado desta sexta-feira

Ilustração: Edgar Pera

Bezerros mais pesados, com melhor qualidade, porém mais caros para os terminadores

Um interessante artigo assinado pela analista de mercado Mariane Crespolini, publicado nesta sexta-feira no site da Scot Consultoria, aponta, em detalhes numéricos, a evolução dos preços bezerro ao longo dos últimos anos, e sua relação de troca com boi gordo, além da questão da qualidade dos animais negociados ainda jovens.

A conclusão, muito bem embasada pela analista, é de que a tendência histórica aponta para bezerros cada vez mais pesados e de melhor qualidade.

No entanto, considerando o comportamento do mercado nas últimas quase duas décadas, a tendência para o bezerro é de preços mais altos pagos pelos recriadores/invernistas, tanto por perna, quanto por quilo.

“Quando analisado este fenômeno com o comportamento do preço da arroba do boi gordo, podemos ver, claramente, uma redução no poder de compra do terminador: menos bezerros comprados com a venda de boi gordo”, conclui o artigo.

Valor do bezerro acumula queda de 4,5% em março

O mercado de reposição parece ter reagido mal ao período de paralisação dos negócios durante o Carnaval e fechou a quinta-feira com preços inferiores aos do fim de fevereiro.

O Indicador Bezerro Esalq (animal Nelore, de 8 a 12 meses) terminou cotado a R$ 1.217.43, na praça do Mato Grosso do Sul, com desvalorização diária de 2,4% sobre o valor registrado na quarta-feira, de R$ 1.245,37, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP).

Na comparação com o valor do indicador registrado em 28 de fevereiro (R$ 1.274,13), o preço atual apresenta de 4,5%.

Em comparação ao preço de 28 de dezembro de 2018 (último dia útil do ano), de R$ 1.225,47, o indicador apresenta certa estabilidade (ligeira queda de 0,6%).

Cotação do boi gordo confirma tendência altista e registra elevação diária de quase 1% na praça paulista

O Indicador Esalq/B3 do boi gordo subiu 0,70% na quinta-feira, para R$ 151,35 (valor à vista, em São Paulo), em relação ao valor do dia anterior (R$ 150,30), confirmando a expectativa de analistas de aquecimento nos preços neste início de março, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP).

No acumulado do ano, porém, a arroba do boi gorda apresenta desvalorização de 1,3% na praça paulista, em comparação ao valor registrado no último dia útil de dezembro (R$ 153,40).

Segundo boletim desta sexta-feira da Scot Consultoria, na maioria das praças pesquisadas, o primeiro dia efetivo de negociação no mercado do boi gordo pós-Quarta-Feira de Cinzas acompanhou o esperado para o período: calmaria nos negócios.

No entanto, relata a consultoria, as expectativas são de um mercado do boi gordo positivo, já que o intervalo dos abates/negociações dos últimos dias encurtou as escalas de abates – as programações dos frigoríficos paulistas atendem, em média, a três dias.

“Com os estoques mais enxutos de carne bovina, a expectativa é que a pressão de compra das indústrias aumente, o que poderá gerar preços maiores para a arroba em curto prazo”, prevê.

Descontada a inflação, preços do boi recuam 2,6% em fevereiro no comparativo anual, informa o Cepea.

Os preços do boi gordo oscilaram ao longo de fevereiro entre R$ 148,50 e R$ 152,75, fechando o mês a R$ 150,20, queda acumulada de 2%, informa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP).

Quando considerada a média do mês, o Indicador do boi gordo Esalq/B3 foi de R$ 150,38, com baixa de 1,2% em relação ao mês anterior e 2,6% menor do de fevereiro do ano passado, em termos reais (valores deflacionados por IGP-DI de janeiro).

“No geral, ainda que a demanda por animais para exportação estivesse um pouco mais aquecida ao longo de fevereiro, a típica procura doméstica enfraquecida em início de ano (por conta dos gastos extras deste período) limitou aumentos nos preços da arroba no mês”, afirmaram pesquisadores do Cepea.

Além disso, a oferta de animais superior à demanda em alguns períodos fevereiro também reforçou o movimento pontual de queda nos preços.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Uma jovem pioneira

Aos 21 anos, Maria Vitória Faé Proença já é pecuarista famosa em Santa Catarina. Ela é dona da Fazenda Vitória, em Rio das Antas (207

Que modelo sucessório adotar?

Não são poucas as dúvidas das famílias rurais quando o assunto é sucessão. Além da delicadeza da questão, definir qual modelo adotar não é tarefa

Fechar Menu
×

Carrinho