Disputa pelo milho entre pecuaristas e usinas de etanol do MT eleva o preço do grão

Grão serve como principal componente para a ração bovina e também é altamente demandado pelas usinas de etanol

O boletim divulgado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) chama a atenção para a forte competição pela compra do milho no mercado interno. O grão que serve como principal componente para a ração bovina e também é altamente demandado pelas usinas de etanol do Mato Grosso.

Segundo o Imea, mesmo com o aumento da área plantada de milho na safra 19/20, a maior demanda pelo grão tem valorizado as cotações futuras no mercado doméstico. No comparativo entre as safras, há um aumento de 36% na procura de milho pelas usinas de etanol no Estado.

“Essa conjuntura, somada às perspectivas das exportações em alta, pode configurar uma menor disponibilidade do cereal, elevando as cotações no mercado mato-grossense”, alerta o Imea. Dessa maneira, continua o instituto, com a maior competição no campo, este ano requer mais atenção no planejamento dos pecuaristas para a compra do milho.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.