Dólar tem maior alta desde novembro e fecha em R$ 4,72 por tensão com petróleo

Ibovespa atingiu o circuit breaker logo pela manhã e seguiu em queda pela tarde, chegando a perder 12%, a pior perda em quase 22 anos

A segunda-feira foi marcada por forte estresse no mercado financeiro mundial e o dólar teve a maior alta porcentual desde 6 de novembro do ano passado, quando subiu 2,2% por conta da frustração com o leilão do pré-sal. A divisa dos Estados Unidos fechou em novo recorde histórico em meio à onda de fuga do risco causada pela decisão da Arábia Saudita de reduzir preços e aumentar a produção do petróleo.

Para profissionais de câmbio, o dólar só não disparou mais hoje aqui porque o Banco Central injetou US$ 3,5 bilhões no mercado de câmbio, em duas vendas de moeda à vista, tipo de leilão que não fazia desde dezembro do ano passado.

+Bolsa interrompe negócios após queda de 10% e pânico nos mercados
+Bolsonaro: governo não vai interferir para controlar preço do petróleo

No mercado à vista, o dólar fechou com alta 1,95%, R$ 4,7243 após encostar em R$ 4,80 na máxima do dia. O dólar acumula alta de 18% ante o real no ano, mas nesta segunda-feira, 9, o rublo da Rússia passou a ser a moeda com pior desempenho ante o dólar, que sobe 21% no país. Só hoje, a divisa dos EUA disparou mais de 9% no mercado russo.

Em outros mercados, avançou 6% na Colômbia, 5% no México e 3,2% na África do Sul. Para um diretor de tesouraria, a evidência que o BC teve sucesso hoje foi justamente este comportamento de outras moedas emergentes, que despencaram ante o dólar. Ao contrário do que aconteceu em vários pregões recentes, o real não ficou com o pior desempenho, observa ele.

O diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Bruno Serra, ressaltou em evento hoje em São Paulo que o câmbio tem tido comportamento “disfuncional” e prometeu que as intervenções no mercado cambial durarão o tempo “que for necessário” para funcionamento regular do mercado de câmbio.

A piora do câmbio hoje foi marcada por forte deterioração do risco-Brasil, medido pelo Credit Default Swap (CDS) de cinco anos, que subiu de 144 pontos na sexta-feira para 207 nesta tarde. Com isso, atingiu pela primeira vez no governo de Jair Bolsonaro a marca de 200 pontos. Na avaliação do chefe da mesa de câmbio da Frente Corretora, Fabrizio Velloni, o clima de tensão no mercado financeiro mundial fez os investidores retirarem recursos de emergentes, o que pressionou suas moedas.

Aqui, o Ibovespa atingiu o circuit breaker logo pela manhã, quando o principal índice de ações brasileiro despencava 10%. O Ibovespa seguiu em queda pela tarde, chegando a perder 12%, a pior perda em quase 22 anos. O reflexo da fuga de recursos dos emergentes é o fortalecimento do dólar, com o dinheiro buscando refúgio nos títulos do Tesouro americano. Com a forte procura, o retorno (yield) do papel de 10 anos bateu em inéditos 0,37% hoje.

O BC tem “muita munição”, incluindo “um grande baú” de elevadas reservas internacionais, para lidar com piora adicional do câmbio, avalia o estrategista de moedas do banco de investimento americano Brown Brothers Harriman (BBH), Ilan Solot. Com esta munição, ele avalia que se o BC quiser de fato segurar a disparada do dólar, ele será eficaz no curto prazo.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.