Acordo EUA-China deve ter efeitos limitados nas vendas de aves e suínos do Brasil

'Demanda chinesa é tão volumosa que pode absorver as exportações do Brasil e EUA', diz Ricardo Santin, vice-presidente da ABPA

A fase 1 do acordo comercial entre Estados Unidos e China deve ter efeitos limitados nas exportações de aves e suínos do Brasil para o gigante asiático, avalia o vice-presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin. “Nesse texto, não há menção de redução de cotas ou de tarifas da China à carne dos EUA, embora essas reduções ainda possam acontecer”, disse ele ao Broadcast Agro.

“Além disso, houve alguns mecanismos no texto que a China já implementou no Brasil. Por exemplo, falou-se em facilitação de habilitação de plantas dos EUA. No ano passado, nós já tivemos plantas habilitadas via videoconferência”, afirmou, ressaltando a boa relação que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, cultivou com o gigante asiático.

Continue a leitura após o anúncio

Ele disse, ainda, que a demanda chinesa é tão volumosa que pode absorver as exportações de Brasil e Estados Unidos. A China tem aumentado suas importações de proteína animal em decorrência da peste suína africana, que vem dizimando os plantéis locais de suínos. “Os EUA até podem vender mais para a China, mas a demanda reprimida na Ásia ainda é muito maior do que a nossa capacidade de exportação”, afirmou Santin, lembrando que outros países do continente, como Vietnã, também são fortemente afetados pela doença e têm a mesma necessidade de importar carne.

Santin vê as medidas sanitárias incluídas no acordo EUA-China como algo que também pode beneficiar o Brasil. “Os mecanismos colocados com os EUA podem ser um modelo de trabalho que a China vai implantar no resto do mundo”.

O documento divulgado inclui um protocolo bilateral para uniformização dos processos em relação a doenças de frango, como gripe aviária, cooperação na área de peste suína, uniformização de padrões de idade e uso de ractopamina em bovinos, além de preenchimento de cotas tarifárias e aprovação de eventos transgênicos. “Nós não temos influenza aviária e somos livres de peste suína africana”, lembrou o executivo da ABPA. “Mas mesmo assim, quando o acordo faz referência a organismos internacionais como a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), entre outros, percebe-se que estão criando um ambiente em que a China deve respeitar as regras globais. Provavelmente, elas valerão para nós também”, completou.

No último ano, as exportações para a China ajudaram a elevar o volume embarcado pelo Brasil. O País aumentou em 15,7% o volume embarcado de carne suína in natura em 2019 ante 2018, para 635,5 mil toneladas; a receita subiu ainda mais, 56,2%, para US$ 1,741 bilhão. A carne suína é a mais consumida no gigante asiático. A carne de frango in natura também teve avanço considerável na mesma comparação, de 8,3% em volume, para 4,065 milhões de toneladas, e 10,7% em receita, para US$ 6,396 bilhões. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO