Egito abre mercado para a compra de produtos termoprocessados de aves do Brasil

Autorização é válida para as 40 plantas exportadoras de aves que atualmente embarcam frango inteiro para o mercado egípcio
Foto: Food Collection/AFP

As autoridades do Egito aprovaram a importação de produtos termoprocessados de aves produzidas no Brasil. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 23 de julho, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A autorização é válida para as 40 plantas exportadoras de aves que atualmente estão habilitadas para o mercado egípcio e já embarcam frango inteiro ao país. O Mapa afirma que irá atualizar o Certificado Sanitário Internacional (CSI) destas plantas que já estão habilitadas.

Continue a leitura após o anúncio

A forte procura pelo produto brasileiro indica uma demanda que até então estava reprimida, e que agora deverá incrementar a expressiva participação do mercado egípcio entre os principais importadores de produtos avícolas halal do Brasil”, disse em nota o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Francisco Turra.

De acordo com Turra, logo após a autorização, diversas licenças para embarques já foram emitidas, em um total que já supera 1,5 mil toneladas. Os alimentos termoprocessados são aqueles prontos para o consumo, normalmente cozidos, esterilizados e embalados.

Segundo a ABPA, o Egito é atualmente o décimo quarto principal importador de carne de frango do Brasil. Entre janeiro e junho deste ano, o país árabe importou 39,1 mil toneladas do produto, volume que supera em 27% o total embarcado no primeiro semestre de 2019.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO