Elanco inicia “carreira solo” de olho no potencial da pecuária brasileira

Empresa tornou-se a quarta principal companhia veterinária no mundo, atrás da Zoetis, MSD e Boehringer.

Cada vez mais, as grandes indústrias veterinárias no mundo irão se tornar independentes, desvinculadas aos seus braços farmacêuticos. É o que acredita o diretor-geral da Elanco no Brasil, Carlos Kuada, em entrevista à edição desta terça-feira do jornal Valor Econômico.

Na reportagem, Kuada traz explicações sobre a decisão da norte-americana Eli Lilly, um das maiores fabricantes de medicamentos humanos do mundo, em separar-se da Elanco, até então a sua representante na área de saúde animal – o processo de divisão das áreas de negócios foi concluído mundialmente no mês passado.

Continue a leitura após o anúncio

Com a separação, a Elanco tornou-se a quarta principal companhia veterinária no mundo, atrás da Zoetis, MSD e Boehringer.

Segundo relata a reportagem, o crescimento da Elanco ao longo prazo depende dos negócios no Brasil. Dado o potencial de sua pecuária, o mercado brasileiro é o segundo mais importante para a empresa norte-americana, atrás apenas dos Estados Unidos, informa o jornal Valor.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO