[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Em busca do melhor volumoso para o “sequestro”

Obrigados a manter baixa lotação dos pastos na seca, pecuaristas do MS vão a Goiás ver experiência bem-sucedida de quatro fazendas

Problemas de pasto levaram a Lageado, em Santa Rita do Araguaia, a confinar todo o gado (2.000 cabeças) nesta seca.

Por Moacir José

Qual o melhor protocolo nutricional para se fazer “sequestro” de animais de recria na seca? Atrás de respostas para essa pergunta, um grupo de oito pecuaristas sul-mato-grossenses organizou uma expedição de quatro dias por fazendas de Goiás que já estão adotando essa técnica. Quem teve a ideia foi Rafael Nunes Gratão, que administra, junto com o irmão Abílio, a Fazenda São Judas, em São Gabriel d’Oeste, região centro-norte do MS.

“Nosso maior problema é que os animais de recria não ganham peso na seca. Neste ano, até setembro, fomos forçados a vender 1.800 animais magros que poderíamos engordar, se tivéssemos uma oferta de alimento maior. De maio a julho, não consegui abater a quantidade de animais que gostaria”, diz ele, que manda para os frigoríficos cerca de 3.000 animais por ano (parte engordada em outra fazenda, em Coxim), todos a pasto, com algum grau de suplementação.

Problema semelhante é enfrentado por Leonardo Freire Cassiano, da Fazenda Campo Alegre, em Ribas do Rio Pardo, região centro-leste do MS. Ele também faz terminação exclusivamente a pasto, com um rebanho de 1.500 cabeças, e a recria é feita numa fazenda arrendada, onde são alocados 1.200 animais. Entram desmamados (6-8 meses) e ficam ali por um ano. “A lotação da fazenda varia de 1,5 UA nas águas a 0,7 UA na seca. Meu objetivo, com o sequestro, é eliminar essa flutuação e trazer pelo menos umas 800 cabeças da recria para dentro da Campo Alegre”, diz Cassiano.

Com isso, sua ideia é agregar mais 300 bois gordos à sua produção anual, que ele prefere não revelar. Atualmente, ele tem de vender bois gordos no início da seca e realocar entre 50 e 60% do gado que não alcançou peso de abate.

Com o confinamento de manutenção, Rafael Gratão também imagina uma nova condição para sua fazenda, com capacidade para produzir mais animais. Mais do que isso, quer disseminar o que o grupo conheceu ‒ através de vídeos, palestras, etc… ‒ para outros pecuaristas do Estado, principalmente os reunidos na Associação Sul-Mato-Grossense de Novilho Precoce ‒ da qual ele é diretor ‒, do Sindicato Rural de Campo Grande (idem), e do Movimento Nacional de Produtores, do qual ele é presidente. Além de Gratão, seus dois irmãos (Abílio e Luiz Antônio, que toca a Fazenda Lubel, de cria, no Pantanal) e Leonardo Cassiano, o grupo contou com os pecuaristas Alexandre Junqueira Netto (Eldorado, ciclo completo), Rafael Ruzzon (Camapuã, recria-engorda e ILP), João Rodrigo Ribeiro (Terenos, ciclo completo) e Flávio Abdo (Coxim, ciclo completo).

O grupo partiu de Campo Grande no dia 19 de setembro e iniciou o tour no dia 20, no escritório do Grupo Lageado, em Mineiros, sudoeste de Goiás, com visita, na sequência, à Fazenda Flamboyant, na vizinha Santa Rita do Araguaia. No mesmo dia, à tarde, seguiram para Nova Crixás (noroeste do Estado) e, no dia 21, na parte da manhã, visitaram as instalações da Fazenda Santa Luzia, da J&F Floresta Agropecuária Araguaia, em Aruanã, na mesma região. À tarde, seguiram para a Fazenda Favorita, do Grupo Kiko’s Ranch, em Nova Crixás. No sábado, 22, finalizaram a expedição com uma visita à Fazenda São Judas Tadeu, do Grupo De Marchi, em Matrinchã, também no noroeste de Goiás. A indicação das fazendas partiu do consultor Luís Caires.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: