Embrapa registra nascimento de trigêmeos em duas vacas Nelore

O fato inusitado ocorreu durante a realização de experimentos da Embrapa Agrossilvipastoril, de Sinop, MT

A Embrapa Agrossilvipastoril, de Sinop, MT, registrou o nascimento bovinos trigêmeos da raça Nelore, algo raro na pecuário de corte. O mais surpreendente é que não ocorreu um parto apenas de trigêmeos, e sim dois deles, um seguido do outro. O fato inusitado foi relatado por pesquisadores que acompanham os resultados de um  experimento que avalia o desempenho de novilhas Nelore em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), conduzido pela Embrapa em parceria com a Acrimat, Acrinorte e Rede ILPF.

Segundo relatos do pesquisador e médico veterinário Luciano Lopes, no primeiro parto, nasceram dois machos e uma fêmea e no outro, duas fêmeas e um macho.  “Partos gemelares acontecem, principalmente em rebanhos grandes. Mas trigêmeos são muito raros, ainda mais em gado de corte”, conta o pesquisador.

Não há ainda resposta científica exata para explicar os fenômenos ocorridos. No entanto, pelo fato dos animais terem sido inseminados (via IATF – Inseminação Artificial em Tempo Fixo), o protocolo pode ter induzido a mais de uma ovulação, sugere Lopes. “Algum desbalanço ocasional que causou a captação de mais oócitos, que se desenvolveram no folículo, chegaram a ovular e foram concebidos”, avalia.

Embora o numericamente o nascimento de trigêmeos possa parecer melhor do que de apenas um, a situação não é desejável em uma fazenda. “Três bezerros sacrificam muito a matriz e isso prejudica o retorno da ciclicidade dela. Além de favorecer muito a mortalidade desses bezerros”, explica o pesquisador.

A pesquisa

A pesquisa conduzida pela Embrapa Agrossilvipastoril abrange 160 novilhas Nelore. Os desempenhos dessas fêmeas  são comparados em quatro ambientes distintos: pecuária tradicional, integração lavoura-pecuária e integração pecuária-floresta com dois níveis de sombreamento (renques de linhas simples e linhas triplas de eucalipto).

São avaliados aspectos de reprodução, balanço hormonal, desenvolvimento folicular, sanidade animal e resposta imune. Dados preliminares indicam diferenças nos tratamentos, sinalizando que a presença de sombra favorece a imunidade e a precocidade dos animais.  Texto:Denis Cardoso

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.