Empresas de saúde animal têm dificuldade em importar matéria-prima, diz Sindan

Pesquisa do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal mostra que empresas podem enxugar portfólio de produtos ofertados no mercado

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) finalizou a terceira rodada da pesquisa “Termômetro da Indústria de Saúde Animal”, para monitorar os impactos da Covid-19 no setor. A entidade, que no ano passado movimentou valores da ordem de R$ 6,5 bilhões, reúne 84 empresas desse segmento, entre elas grandes nomes como Bayer, Agroceres, Cargill, Biogenesis, Boheringer, MSD, Phibro, Zoetis, Eurofarma. As associadas do Sindan são responsáveis por 90% do Produto Interno Bruto (PIB) veterinário.  A primeira rodada de monitoramento foi realizada em março.

Nesta segunda-feira (19/10), o médico veterinário Emílio Salani, vice-presidente executivo da entidade participou do “DBO Entrevista” para falar sobre a pesquisa. “Nos primeiros seis meses de pandemia realizamos uma pesquisa a cada 40 dias, com o objetivo de trabalhar com a maior transparência possível, comunicando à sociedade e aos associados todas as tendências”, afirma Salani.

De acordo com o executivo, passados cerca de 120 dias da primeira pesquisa, o enxugamento de portfólio de produtos por parte das empresas continua como tendência. Entre elas, 60% responderam que pretendem tomar a medida.

“Nós ainda não temos uma avaliação mais acurada de qual foi o grande motivo. Nós suspeitamos que seja por questões de lucratividade e dificuldade de acessar ativos”, afirma.

Segundo Salani, parte das empresas vêm tendo dificuldade de comprar insumos no próprio País, como plásticos, e também na importação de matéria-prima.  A pesquisa mostra que 78% dos associados do Sindan ainda estão resolvendo ou ainda encontra entraves no acesso às matéria-prima e outros tipos de insumos. “A gente tende a acreditar que essa redução de portfólio será feita no subsegmento dos produtos farmacêuticos de prateleira, como antibióticos, anti-helmínticos e carrapaticidas”, diz ele.

Mesmo assim, a estimativa é de uma receita maior no setor de medicamento animal para 2020, puxada pelo crescimento da produção pecuária. Para 8,6% das empresas, as expectativas serão superadas e para 48,6% as metas serão mantidas dentro do planejado. 

Para Salani, essa combinação leva a um produtor que deve fazer compras racionais de medicamentos. “É preciso retirar o máximo de todos os benefícios dos produtos. Observar a dosagem, o período de aplicação correto e a qualidade da aplicação é fundamental”,  diz ele.

Salani também falou do índice de contaminação de Covid-19 na indústria farmacêutica, a mudança do modo de trabalho dos consultores de campo e como deve ser o futuro das operações do setor.

Confira  entrevista na íntegra: 

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.