Escalas confortáveis e demanda interna fraca colocam mercado do boi gordo em banho-maria

Preços da arroba seguem estáveis na maioria absoluta das praças pecuárias; em SP, as referências do boi, vaca e novilha gordos são, respectivamente, R$ 337/@, R$ 308/@ e R$ 325/@ (prazo), informa a Scot Consultoria

Os preços da arroba no mercado físico do boi gordo seguem acomodados em grande parte do Brasil, informa nesta quinta-feira, 20 de janeiro, a IHS Markit.

Porém, a consultoria registrou que há plantas frigoríficas testando novas compras de boiadas gordas a preços mais baixos, sobretudo na região Norte.

Com o fim das fortes chuvas nas áreas de pecuária do Norte brasileiro – que vinham castigando severamente a região –, houve melhoria no fluxo de oferta de animais terminados, mas não a ponto de iniciar uma pressão baixista para os preços da arroba, observa a IHS.

SAIBA MAIS | MERCADO PECUÁRIO | Chuvas e estiagens mais severas mexem com os mercados pecuários pelo País; VÍDEO

Segundo a consultoria, a demanda doméstica pela carne bovina segue desaquecida, o que faz a indústria reduzir a capacidade diária de abate.

A Agrifatto alerta para o aumento no número de casos de Covid-19 dentro dos frigoríficos brasileiros.

Segundo a consultoria, diante do avanço da doença, algumas plantas estão postergando os abates.

“Com isso, as escalas ficaram em níveis mais confortáveis”, informa a Agrifatto.

Ainda assim, acrescenta a Agrifatto, o preço do boi gordo não perdeu a firmeza e continua sendo negociado próximo aos R$ 338/@ em São Paulo.

Segundo dados apurados pela Scot Consultoria, há nove dias o preço do boi gordo registra estabilidade nas praças do interior paulista.

Assim, as referências do boi, vaca e novilha gordos são, respectivamente, R$ 337/@, R$ 308/@ e R$ 325/@ (preços brutos e a prazo).

Os negócios com o “boi-China” (abatidos mais jovens, com até 30 meses de idade) são fechados por até R$ 345/@, em São Paulo.

Enquanto as vendas de carne bovina seguem patinando no mercado interno, as exportações vêm ganhando ritmo.

VEJA TAMBÉM | Carne bovina: apesar da retomada dos envios à China, Estados Unidos seguem como maior destino

As consultorias do setor estimam embarques ao redor de 140 mil toneladas para janeiro, o seria um novo recorde histórico para o mês.

No mercado atacadista de carne bovina, o ritmo de venda permanece lento.

A carcaça casada bovina segue cotada a R$ 20,50/kg, informa a IHS, informa a Agrifatto.

Cotações máximas desta quinta-feira, 20 de janeiro, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 340/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 317/@ (prazo)
vaca a R$ 305/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 317/@ (prazo)
vaca a R$ 305/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 302/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 318/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 313/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca R$ 310/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 291/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 330/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 330/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 305/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 340/@ (à vista)
vaca a R$ 320/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 340/@ (à vista)
vaca a R$ 320/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 293/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 293/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 294/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 284/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 296/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 275/@ (à vista)

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.