Estratégias de manejo da pastagem no período seco do ano

O período mais seco do ano é um desafio para pastagem, veja algumas estratégias que amenizam os efeitos deste período para a produção animal a pasto

O período seco do ano é marcado pela queda no volume de chuvas, temperaturas mais baixas e menor luminosidade e, com isso, menor disponibilidade de forragem aos animais e queda no valor nutricional do capim.

Dados históricos do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), relacionados aos volumes de chuva e média de temperatura para o período seco do ano (maio-setembro), mostram esse momento crítico para a atividade pecuária.

Citamos algumas estratégias que amenizam os efeitos deste período para a produção animal a pasto.

Vedação de pastagens

A técnica consiste no descanso de uma parte da área de pastagem da propriedade, antes do término do período chuvoso, com o objetivo de acumular e transferir a forragem que será consumida no período de seca pelos animais.

A área selecionada geralmente não participa do pastejo de verão e a escolha é feita, geralmente, no terço final do período das águas. Durante o período de seca, a área é ofertada ao gado de maior demanda nutricional.

Deve-se tomar cuidado com o tempo de vedação para evitar crescimento demasiado e possibilidade de acamamento, além do acúmulo da biomassa desejada. A época e a escolha da pastagem vão depender de fatores que mudam conforme a região.

As plantas mais indicadas para vedação são aquelas de baixo acúmulo de talos e boa retenção de folhas verdes. As espécies mais utilizadas são as do gênero Brachiarias e Cynodons (Embrapa).

Redução da lotação animal

A taxa de lotação representa o número de animais dividido pela área pastejada. Ela determinará a capacidade de suporte da pastagem exercida naquela área e deve ser mantida sempre dentro de uma faixa de amplitude ótima de utilização.

Ajustar a carga animal é uma ferramenta essencial no período das secas. Manter uma alta taxa de lotação durante o período crítico diminui a capacidade de suporte do pasto, reduzindo os ganhos por animal. A associação da redução da oferta de forragem e da lotação animal pode melhorar os ganhos por animal na seca.

Outra estratégia que pode ser consorciada à lotação animal é a rotação da pastagem, com a divisão da área total de pastejo, promovendo momentos de pastejo e descanso em cada subdivisão, permitindo a recuperação e rebrota do pasto.

Suplementação mineral

Com a seca, há uma queda na qualidade nutricional do capim. Suplementar a dieta do rebanho para repor as exigências nutricionais aumenta o consumo total de energia e gera uma substituição parcial no consumo do pasto.

As metas produtivas e a qualidade do pasto determinarão o nível e o período de suplementação do rebanho.

Existem no mercado diferentes tipos de suplementos minerais: de pronto uso, proteicos, proteico-energéticos, núcleos, com ureia, concentrados ou para mistura.

Cada um tem uma composição diferente e, seu uso ou não, deve levar em consideração os custos, a necessidade nutricional do animal e o retorno esperado pelo produtor.

Clique aqui para conhecer mais sobre a Mosaic.

Autor: Zootecnista, Vinicius Carreteiro Gomes

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.