Estratégias Probeef® para semiconfinamento

A técnica ainda não é conhecida por alguns pecuaristas que realizam terminação de bovinos no Brasil, porém o sistema se apresenta como uma solução eficiente para os produtores


O semiconfinamento tem se apresentado como uma oportunidade para produtores que fazem a terminação de bovinos no Brasil. Mas ainda não são todos os pecuaristas que conhecem esse sistema de produção e as soluções disponíveis para que o animal alcance todo seu potencial. Em resumo, o semiconfinamento é a terminação do gado a pasto com níveis de fornecimento de concentrado entre 0,8 até 1,5% do peso corporal.

Com o grau de exigência em cima do produtor atualmente, o investimento em tecnologia e o uso das melhores práticas são dois ingredientes de uma receita de sucesso. É importante ressaltar que apenas o pasto, não é suficiente para suprir as exigências nutricionais dos animais em terminação, e consequentemente, a performance e o acabamento de carcaça ficam comprometidos. O semiconfinamento é um sistema viável para animais com maior exigência de mantença e pode ser utilizado tanto na época seca quanto na época das águas.

No período da seca, ocorre naturalmente a diminuição do valor nutricional das pastagens, o que exige uma compensação estratégica do fornecimento de nutrientes para os animais. Isso reflete diretamente nos ganhos do rebanho e impacta o bolso do produtor.

Diante de tudo isso, o pecuarista precisa se planejar para aplicar esta técnica na fazenda.  A ração precisa ser colocada todos os dias no cocho e o número de tratos vai depender do manejo operacional da propriedade. A formação de lotes deve ser feita com animais de pesos e frames similares, para que não haja competição por concentrado, uma vez que esses animais consumirão a ração em relação à porcentagem do peso corporal. Outro fator importante é o número de animais dentro do piquete, que tem relação com a massa de forragem disponível e também com a quantidade de concentrado que será ofertada aos animais.

Esses são alguns detalhes que fazem parte da rotina de um semiconfinamento. Em conjunto, eles favorecem o sucesso desse modelo que tem se espalhado pelo Brasil. Outros pontos que podem influenciar são: a qualidade do pasto, o perfil da formulação do concentrado e a estrutura para alimentação. No caso desta última, a recomendação é que o espaçamento de cocho adequado tenha entre 45 e 60 cm por cabeça, com local adequado para armazenagem dos ingredientes e bebedouro próximo do cocho – entre 100 e 150 metros de distância.

De olho nos desafios do pecuarista, a Cargill Nutrição Animal, por meio da sua marca Nutron, apresenta o Probeef Semi, um núcleo mineral com fonte energética na forma de ácidos graxos protegidos (by pass) e outros ingredientes que favorecem uma melhor performance e melhora o acabamento da carcaça.

Com um consumo diário recomendado de 400 gramas por cabeça – que serão misturados a ingredientes proteicos e energéticos – o Probeef Semi traz alto desempenho no semiconfinamento, redução do trabalho operacional e possíveis desperdícios.

O melhor acabamento de carcaça é alcançado porque o Probeef Semi contém um blend de ácidos graxos protegidos que aumenta a densidade energética da ração e lipogênese (deposição de gordura).

O produto faz parte de uma plataforma desenvolvida pela Cargill Nutrição Animal que alinha tecnologias, serviços e ferramentas para que o pecuarista brasileiro alcance seus melhores resultados. A proposta de oferecer soluções customizadas tem sido uma das grandes marcas da empresa atuando ao lado do produtor.

No caso da pecuária intensiva a pasto, o Probeef Semi tem se mostrado uma escolha estratégica porque otimiza os volumes que precisam ser ofertados ao animal, melhora a logística na fazenda, reduz o tempo de mão de obra para distribuição de ração, permitindo alto desempenho e acabamento de carcaça.

O sucesso do produto se observa nas palavras do produtor João Guimarães, da Fazenda Nelore Água Fria (Xinguara / PA): “Probeef Semi sempre foi muito importante para nós. Queremos obter um máximo desempenho do animal sem precisar usar o sistema de confinamento convencional. É uma forma de melhorar o acabamento dos animais, usando este produto. Tivemos um melhor desenvolvimento dos animais, com acabamento muito similar a animais de confinamento, com um sistema de produção todo a pasto”, comenta ele.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.