Exportação de algodão deve crescer 115% em 10 anos, prevê Rabobank

Em relação à produção, a previsão do Rabobank é de um crescimento de 40% na próxima década

A exportação brasileira de algodão deve saltar das atuais 1,35 milhão de toneladas estimadas para o ciclo 2018/19 para até 2,9 milhões de toneladas na safra 2028/29, segundo projeção divulgada nesta terça-feira pelo banco holandês Rabobank. Em relatório, a instituição financeira destaca os menores custos de produção do país e o aumento em área e produtividade.

” Em função dos índices de produtividades locais, a produção majoritariamente de sequeiro e a taxa de câmbio, os custos brasileiros (breakeven) têm se mostrado mais competitivos que seus principais concorrentes, EUA e Austrália”, explica o documento assinado pelo analista sênior, Victor Ikeda.

+Bayer vê menor crescimento no plantio de algodão nos próximos anos

Segundo Ikeda, enquanto o custo de produção brasileiro gira em torno de US$ 0,50 por libra-peso, nos EUA, maior exportador mundial, esse valor chega a US$ 0,72, puxado pelos menores índices de produtividade. Na Austrália, onde a cultura é majoritariamente irrigada, o custo de produção avaliado é de US$ 0,65 por libra-peso.

“O algodão brasileiro é um case de sucesso. É um setor que reduziu muito a área e se reinventou via mudança geográfica para o cerrado, modelo de negócio de larga escala e ganhos de produtividade. Tínhamos uma produtividade abaixo da média mundial e hoje temos uma das cinco maiores do mundo”, observou o analista. A previsão é de que o Brasil colha 1,67 milhão de algodão em pluma por hectare até o final da safra 2018/19.

Em relação à produção, a previsão do Rabobank é de um crescimento de 40% na próxima década, para 3,9 milhões de toneladas. ” Apesar de robusto, vale ressaltar que, percentualmente, esse crescimento esperado é inferior ao observado na última década quando a produção aumentou 125%”, lembra o documento. Para área, a previsão é de uma expansão ainda menor, de 24,2%, para 2 milhões de hectares até 2028/29.

Desafios

Apesar das boas perspectivas para a competitividade do algodão brasileiro no mercado internacional, o Rabobank destaca que o país ainda enfrenta alguns gargalos para a expansão da sua produção, entre eles a logística e a qualidade da fibra brasileira. “Apesar da nossa produção ter migrado para o Cerrado na década de 80 e 90, o nosso canal de exportação ainda é por Santos. Quase 99% do nosso algodão exportado ainda é por Santos”, observa Ikeda, ao destacar que algumas empresas já estudam formas de escoar a sua produção pelo arco norte do país.

Além da questão financeira, o porto de Santos ainda possui uma capacidade limitada para a exportação de algodão, avaliada em 1,8 milhão de toneladas – bem abaixo da previsão de crescimento pra a próxima década. O problema, contudo, reside no fato de não haver rotas de contêiner saindo pelo arco norte do país, o que exigirá que os exportadores elaborem rotas passando pela Europa para, só então, enviar o algodão ao mercado asiático. As primeiras exportações, a serem realizadas ainda nesta safra, serão um teste para avaliar a viabilidade financeira desta nova rota. “Pode ser que isso já comece a ser efetuado na safra 2018/19, talvez quando avaliarmos os números de exportação veremos que alguns outros portos estarão aparecendo no arco norte”, avalia Ikweda.

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.