Exportação brasileira de café cresce 13,9% em 2018

Segundo relatório da Cecafé, foi o terceiro melhor resultado da série histórica
Foto: Pixabay.

O Brasil exportou 35,2 milhões de sacas de 60 kg de café em 2018, terceiro melhor resultado da série histórica (atrás de 2015, melhor desempenho, e 2014), segundo relatório do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). O resultado representa um aumento de 13,9% ante 2017. Desse total,  162.969 sacas foram destinadas à China, crescimento de 162% em relação a 2017.

“Temos grandes expectativas do café brasileiro no mercado chinês”, afirmou diretor geral do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), Marcos Matos. No ano passado, os chineses foram o 31º maior comprador do café brasileiro, um ganho de dez posições em relação a 2017. Em 2018, a Ásia adquiriu 6.532.921 sacas, respondendo por 19% dos embarques – avanço de 16% em relação ao ano anterior.

Continue a leitura após o anúncio

“Esse crescimento demonstra o potencial que a região tem, especialmente em países tradicionais, como Japão e Coreia do Sul. O mercado tende a desenvolver o hábito de consumo de café com solúveis, que podem substituir o chá quente e abrem as fronteiras. Quando esses produtos entram, o consumidor conhece e passa a apreciar mais a bebida”.

Já a receita cambial com as exportações de café no último ano foi de US$ 5,09 bilhões, queda de 3% em relação ao ano anterior. O preço médio da saca também caiu quando comparado com 2017, a US$ 144,53 – desvalorização de 14,9%.  A China respondeu por  US$ 26,888 milhões desse montante.  “Acho que a volatilidade de preço tem dois fatores: a redução do real e maior oferta do produto, que sempre traz um efeito no preço. A safra desse tamanho (recorde) sempre provoca um impacto”, disse o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes, em entrevista com jornalistas, em São Paulo.

Das sacas embarcadas em 2018, 31,5 milhões foram de café verde (29 milhões de arábica e 2,5 milhões de robusta), um aumento de 15% em relação ao ano anterior. O robusta teve aumento de 738,3% ante 2017, mas ficou abaixo dos anos de 2014 e 2015. Já o arábica teve 7,1% a mais de sacas embarcadas em 2018 do que em 2017. As outras 3,7 milhões de sacas foram de cafés industrializados, que cresceram 5,8%. A maioria, 3,6 milhões de sacas, foi de café solúvel. Já o café torrado & moído teve 17,5 mil sacas embarcadas.

Os cafés diferenciados, que têm qualidade superior ou certificado de práticas sustentáveis, tiveram 6,2 milhões de sacas, ou 17,7% do total de café embarcado. O crescimento em relação a 2017 foi de 21,3%. A receita da modalidade foi de US$ 1,12 bilhão, ou 22,1% do total arrecadado com exportações de café.

O país que mais recebeu café exportado do Brasil em 2018 continuou sendo os Estados Unidos, com 6,2 milhões de sacas – o que representa 17,6% das exportações no ano. Depois, vem a Alemanha (5,6 milhões de sacas, 16%) e Itália (3,1 milhões de sacas, 8,9%). O único dos principais destinos que teve queda nas exportações em 2018 foi a Federação Russa (-9,95%). Entre os principais compradores, o Reino Unido, com 98,6%, foi o que mais aumentou suas compras do produto brasileiro, seguido por Bélgica (33,7%), Japão (13,2%) e Itália (12,3).

O Porto de Santos se manteve como principal via de escoamento para outros países, com 80,8% de participação. Em seguida, aparecem os portos do Rio de Janeiro (12,4%).

Exportação em dezembro vai a recorde de 3,7 milhões de sacas

O Brasil exportou 3,7 milhões de sacas de 60 kg de café em dezembro de 2018, um recorde histórico para o mês, de acordo com relatório do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) e 22,5% maior do que o mesmo mês de 2017. A arrecadação também subiu, 1,8%, a US$ 509,196 milhões, ainda que o preço médio da saca tenha tido queda de 16,9%, a US$ 137,38.

Foi o terceiro melhor resultado mensal do ano, atrás de outubro e novembro. o resultado consolida o quarto trimestre de 2018 como o melhor quarto trimestre da série histórica.

Em dezembro, os cafés verdes somaram 3,4 milhões de sacas (27% a mais ante dezembro de 2017) – 3,2 milhões de arábica e 168 mil sacas de robusta. Industrializados tiveram 349 mil sacas embarcadas, uma queda de 8,6% ante o mesmo mês de 2017.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO