Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

Embarques norte-americanos de carnes foram prejudicados pela paralisação de fábricas frigoríficas após a proliferação da Covid-19 entre funcionários

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em parte, as interrupções no abate e processamento devido ao registrou de casos de Covid-19 entre funcionários dos frigoríficos, informa o portal norte-americano Feedstuffs, com base em dados divulgados pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) e compilados pela Federação de Exportação de Carne dos EUA (USMEF).

Os embarques de carne bovina caíram para um patamar bem abaixo dos níveis do ano anterior e registraram o menor volume mensal em dez anos. As vendas de carne de porco, por sua vez, permaneceram em níveis mais altos do que há um ano, mas atingiram o volume mais baixos desde outubro de 2019.

Continue a leitura após o anúncio

“As interrupções das fábricas atingiram o pico no início de maio, resultando em desaceleração temporária das exportações”, disse o CEO da USMEF, Dan Halstrom. “Infelizmente, o impacto foi bastante severo, especialmente no setor de carne bovina”, destacou ele, acrescentando que os embarques também foram prejudicados pelas medidas de quarentena (contra a propagação do coronavírus) estabelecidas em alguns países consumidores.

Halstrom observou que a recente recuperação da produção de carne bovina e suína ajudará as exportações norte-americanas a ganharem fôlego no segundo semestre de 2020, mesmo diante de perspectivas econômicas globais bastante desafiadoras.

Os números

As exportações norte-americanas de carne bovina caíram 33% em maio em relação ao mesmo mês de 2019, para 79.280 toneladas. Em receita, a queda no período foi de 34%, para US$ 480,1 milhões. No acumulado de janeiro a maio, os embarques de carne bovina registraram queda de 3% em volume e recuou de 5% em receita, na comparação com mesmo período do ano passado.

As exportações de carne suína dos EUA totalizaram 243.823 toneladas em maio, 12% acima de igual período do ano anterior, mas uma queda de 13% em relação à média mensal do primeiro trimestre de 2020. O valor das exportações atingiu US$ 620,9 milhões, um aumento de 9% sobre maio de 2019, mas 16% abaixo da média mensal do primeiro trimestre.

China em ascensão

Apesar dos menores volumes de exportação em maio, a USMEF disse que o Acordo Econômico e Comercial EUA-China deu um novo impulso às exportações de carne bovina ao mercado chinês, totalizando 1.671 toneladas em maio (aumento de 205% em relação ao ano anterior), com receita de US$ 13,2 milhões (elevação anual de 187%). O acordo sobre comércio de carne vermelha entrou em vigor no final de março.

No acumulado de janeiro a maio, os embarques para a China atingiram 4.926 toneladas (66% a mais que no ano anterior), somando US$ 38,9 milhões (avanço anual de 71%). “A Fase 1 (do acordo EUA-China) proporcionou ganhos significativos para a carne bovina dos EUA, finalmente colocando a indústria em posição de competir no mercado que mais cresce no mundo”, destacou Halstrom. “Esses primeiros resultados são realmente apenas uma pequena prévia do que esperamos ver, já que o setor de serviços de alimentação da China vem se recuperando e o ritmo e a produção de carne bovina dos EUA retornou ao seu nível normal”, acrescentou.

As exportações de carne bovina para Hong Kong também apresentaram alta em maio, atingindo 8.397 toneladas (10% a mais que no ano anterior), somando US$ 68 milhões (alta de 8%). Nos primeiros cinco meses do ano, os embarques ao mercado de Hong Kong continuaram acompanhando o ritmo do ano passado, com crescimento de 11% em volume (31.610 toneladas) e 10% em valor (US$ 270,6 milhões).

Por sua vez, as exportações para o Japão (principal cliente da carne bovina norte-americana) caíram 33% em maio sobre mesmo mês do ano anterior, para 19.986 toneladas. Em receita, o tombo no mesmo intervalo de comparação foi de 36%, para US$ 121,9 milhões. No entanto, no acumulado de janeiro a maio, os embarques ao mercado japonês cresceram 5% em volume (134.138 toneladas) e 2% em valor (US$ 841,7 milhões).

As exportações para a Coreia do Sul foram duramente atingidas em maio, atingindo 18.319 toneladas, uma queda de 20% sobre maio de 2019. Em receita, registrou baixa de 27%, para US$ 120,4 milhões. Nos cinco primeiros meses do ano, o volume de exportações para a Coreia permaneceu estável, somando 101.664 toneladas. Em receita, caiu 3%, para US$ 719,2 milhões.

Carne suína para China

A China e Hong Kong continuaram a impulsionar o crescimento das exportações de carne de porco em maio. Os embarques para esses dois mercados recuaram dos recordes recentes, mas ainda assim atingiram 112.820 toneladas, um aumento de 148% em relação ao mesmo mês do ano anterior, somando US $ 259 milhões (aumento de 188%). No acumulado de janeiro a maio, as exportações de carne suína para China-Hong Kong atingiram 526.273 toneladas (aumento de 203%), somando US$ 1,25 bilhão (avanço de US$ 284%). Fonte: Feedstuffs

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO