Exportação de frango cai, mas Ásia e Egito compram mais

Embarques brasileiros do produto somaram 364,6 mil toneladas no mês de julho
Foto: Qiu Haiying/A

As exportações brasileiras de carne de frango somaram 364,6 mil toneladas no mês de julho, volume 5,7% menor do que o registrado em julho de 2019. São considerados todos os produtos, entre in natura e processados. A receita no período foi de US$ 498,2 milhões (R$ 2,7 bilhões pela conversão atual), valor 25% menor no mesmo comparativo. Os dados são da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

No acumulado do ano, o setor registrou alta de 0,5%, totalizando 2,471 milhões de toneladas exportadas entre janeiro e julho de 2020. Em receita, houve queda de 11,4%, somando US$ 3,642 bilhões (R$ 19,83 bilhões).

O volume exportado em julho deste ano foi acima da média efetivada em 2019, de 351 mil toneladas mensais. O comportamento mensal das exportações deste ano indica que a alta acumulada deverá se manter, com fechamento positivo para 2020”, disse em nota o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin. A média é referente a todos os meses do ano passado juntos.

Os embarques para a Ásia foram destacados pela ABPA. Foram exportadas 988,3 mil toneladas para a região nos primeiros sete meses do ano, volume 12,7% maior que o registrado no mesmo período de 2019. A China foi o principal destino, com 406,8 mil toneladas, alta de 29%. Cingapura, Filipinas e Vietnã foram outros destaques.

Árabes

No bloco árabe houve queda de 7% em volume no acumulado do ano em relação ao do ano passado, somando 853,3 mil toneladas. A Arábia Saudita, que lidera os embarques, comprou 245 mil toneladas, volume 13% menor no mesmo comparativo. Os Emirados Árabes Unidos, segundo maior comprador do frango brasileiro no bloco, somaram 173,1 mil toneladas de janeiro a julho, queda de 21% no mesmo comparativo.

Entre os que tiveram crescimento no período estão a Líbia, com alta de 100%, somando 39,3 mil toneladas; o Bahrein, que comprou 24,4 mil toneladas, um crescimento de 50%; a Jordânia cresceu 33%, totalizando 37,4 mil toneladas no período; o Egito comprou 47,5 mil toneladas, alta de 27%; e o Catar cresceu 17%, somando 51,2 mil toneladas. O Egito abriu, no final de julho, o seu mercado para derivados de frango produzidos no Brasil, o que permite a exportação de produtos como nuggets e embutidos.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.