Menu
Menu

Exportação e preços mais altos favorecem carne bovina

Indústria tende a seguir com margens de lucro positivas, segundo relatório do BB Investimentos
Foto: ANPR

Depois de bater recorde na exportação em setembro, a indústria de carne bovina tende a seguir com margens de lucro positivas, ainda beneficiadas pela demanda externa e também por preços médios mais altos no Brasil. Além disso, com a proximidade das festividades de fim de ano, o consumo no mercado doméstico deve melhorar. Em contrapartida, nos setores de aves e suínos o cenário é de margens pressionadas pela queda nos embarques e custos elevados, seja por causa da tabela de fretes ou pelos valores dos grãos utilizados na ração. A análise foi divulgada em relatório do BB Investimentos, nesta quarta-feira, assinado pela analista sênior Luciana Carvalho.

Em setembro, as exportações de carne bovina atingiram o novo pico de 150,7 mil toneladas, aumento de 35% na variação anual e de 17% no comparativo mensal, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). China e Egito contribuíram significativamente para esse resultado positivo. Com base nas informações do MDIC, Luciana destaca que esses países impulsionaram a demanda em aproximadamente 50% e 25%, respectivamente, no comparativo anual.

“A carne bovina brasileira se tornou mais competitiva devido à valorização do dólar, que não apenas induziu volumes, mas também pressionou os preços médios em dólar para baixo, como notamos pelo segundo mês consecutivo. Também destacamos como positivos os preços domésticos, que permaneceram em tendência ascendente e cresceram 2% ante o ano anterior”, ressaltou o documento do BB. Depois da greve dos caminhoneiros em junho, os preços da proteína subiram e, mesmo após apresentar uma leve redução, ainda estão em patamares mais elevados.

No mercado físico, a analista observa um aumento contínuo das cotações do boi gordo. “Como resultado de uma oferta limitada de gado e exportações em um ritmo mais acelerado, que compensou o ainda fraco consumo doméstico, a arroba subiu para R$ 150, em média, uma alta de 3% na variação mensal”, explica o relatório. Ainda assim, “em nossa visão, a margem pode continuar sendo beneficiada pelas exportações e preços médios mais altos no Brasil”, estima a especialista.

Já para as indústrias de aves e suínos, a expectativa ainda é adversa. Os volumes exportados continuaram em quedas de 6% e 9%, respectivamente, ante setembro de 2017. Como aspectos negativos, o BB destaca restrições de exportação para a União Europeia e Rússia, medidas antidumping da China, e exigências mais rigorosas vindas da Arábia Saudita que podem continuar a limitar os volumes exportados. “Além disso, esperamos que os preços de frete e grãos tenham um impacto negativo nos custos do setor”, alerta a analista. As tensões comerciais entre a China e os Estados e a depreciação do real ante o dólar mantêm as cotações de grãos no Brasil em patamares elevados. “Esperamos ainda margens pressionadas” para a indústria, projeta a instituição financeira.

Especificamente quanto ao frango, a análise informa que os preços domésticos continuam apresentando a mesma tendência positiva da carne bovina e aumentaram 17% (aves refrigeradas) e 13% (aves congeladas), na variação anual.

Em relação à indústria de carne suína, o BB considerou a abertura para exportações brasileiras aos indianos como um “importante avanço”. “A Índia é um mercado potencial, uma vez que sua renda per capita está crescendo. Como resultado, devemos ver um aumento no consumo de proteína animal”, estima o BB. A notícia também é positiva para a imagem do Brasil, pois reafirma a qualidade dos produtos e o status sanitário das carnes. “Nesse contexto, esperamos que a carne brasileira seja beneficiada pelos surtos de peste suína que colocam o mercado mundial de suínos em alerta no momento”, acrescenta o documento.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Produtores já estão testando novo modelo de produção de novilhas

A Agropecuária JBJ, de GO, e a Fazenda Rancho Fundo, do MS, suplementam as fêmeas desde bezerras para desafiá-las na IATF aos 13-14 meses.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

“Precocinhas” Nelore no confinamento

Os sistemas de produção de novilhas precoces também abrem caminho para a engorda dessas fêmeas para venda bonificada a programas de carne de qualidade.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Novilhas Nelore sob holofotes

Elas são as novas estrelas da pecuária, graças aos avanços em precocidade com prenhez aos 13-14 meses, e valorização nos projetos de carne gourmet. Agora, elas também são objeto de pesquisa da Apta-Colina para o desenvolvimento de sistema específico de produção, a exemplo do programa do Boi 7-7-7.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho