Exportadora de carne halal investe em serviços financeiros

A Ramax é especializada em proteínas halal e atua entre países como Brasil e Líbano; a marca agora faz antecipação de recebíveis e cartas de crédito para fornecedores

A Ramax, exportadora especializada em carne halal, aquela que é própria para o consumo de muçulmanos, está expandindo seus negócios. Desde 2018, a marca vem trabalhando com serviços financeiros.

Rada Saleh, sócio diretor líbano-brasileiro. (Foto: Divulgação)

“Expandimos bastante, tivemos crescimento. Começamos a operar com mais proteínas. Hoje nós temos, por exemplos, ovinos. Além disso, estamos diversificando com produtos e serviços de caráter financeiro, principalmente para pequenos e médios produtores do Brasil”, afirmou à Agência de Notícias Brasil-Árabe (ANBA) o sócio diretor líbano-brasileiro, Rada Saleh.

O novo serviço inclui operações feitas pela própria Ramax e outras feitas por parceiros do ramo financeiro e consiste principalmente em cartas de crédito e antecipação de recebíveis.

Saleh explicou que se um frigorífico pequeno do Brasil que é parceiro da Ramax precisa de dinheiro para poder pagar um preço melhor no gado, a marca disponibiliza uma antecipação de recebíveis.

Com o valor, o frigorífico garante o produto e a carne final sai mais em conta também para a Ramax.

“O pecuarista se beneficia porque recebe à vista, o frigorífico se beneficia porque consegue uma boa compra e nós, como trading, conseguimos uma carne de boa qualidade e em um preço interessante para operar nos mercados externos onde atuamos”, relatou ele.

Além dos fornecedores, quem também conta com a opção são os próprios clientes da Ramax que podem solicitar, por exemplo, uma carta de crédito. “Desde que começamos a oferecer esse serviço mais efetivamente, ele só tem se intensificado”, disse o executivo.

VEJA TAMBÉM | “Carne bovina será consumida mais democraticamente no mundo na próxima década”, diz diretor da Conab

Mercados – Além de ter ampliado serviços e produtos, a trading também aumentou os mercados onde atua. Nos Estados Unidos, por exemplo, onde já tinha um escritório, a marca passou também a abocanhar uma fatia do mercado consumidor. Outro novo mercado é a Líbia.

“A regra para fazermos negócio é ter segurança financeira e política. Hoje fazemos negócios inclusive na Líbia.  Nós buscamos a segurança do negócio bem antes do próprio negócio”, frisou o empresário.

Embora a maior parte das proteínas animais venha de fornecedores brasileiros, os ovinos são provenientes da Austrália, Nova Zelândia e chegam, principalmente, ao consumidor chinês.

Saleh está baseado no Líbano e lá lidera as iniciativas para crescer no mundo árabe. Para ele, ter profissionais nos países para onde os produtos são exportados é um diferencial da Ramax.

VEJA TAMBÉM | Frango: Brasil exportou quase 800 mil toneladas do produto halal de janeiro a maio

A estratégia é que a equipe acompanhe a logística do produto até o seu destino e avalie as tendências e demandas do mercado de cada país.

Assim, a empresa consegue passar um feedback aos seus fornecedores e tornar o negócio mais assertivo. “Simples e eficiente”, declarou o sócio.

A marca tem equipes em locais como o Brasil, Paraguai, Estados Unidos e Hong Kong. O objetivo é ter diversidade de fornecedores e clientes.

No plano da marca estão principalmente os mercados árabes e muçulmanos, inclusive a Síria, que Saleh espera que seja um mercado promissor conforme a reconstrução do país avançar.

“Para nós o mercado halal é de suma importância. A população muçulmana é a que mais cresce no mundo e, como consomem halal, é o mercado que cresce, em média, 15% ao ano. Eu, estando aqui no Líbano, mostra que estamos apostando também na Síria. Quando as condições lá estiverem ideais, estamos prontos para atender esse mercado”, concluiu ele.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.