Famílias de trabalhadores mortos por Covid-19 nos EUA processam a Tyson Foods

Vírus infectou mais de mil, dos 2,8 mil funcionários da empresa norte-americana

As famílias de três trabalhadores que morreram após contrair o coronavírus em Iowa, EUA, processaram a norte-americana Tyson Foods e seus principais executivos, alegando que a empresa conscientemente colocou os funcionários em risco e mentiu para mantê-los no trabalho. A reportagem foi publicada nesta quinta-feira (26/6) pelo jornal The New York Times (NYT).

O processo alega que, à medida que o surto de Covid-19 avança na planta de processamento de suínos de Waterloo, Iowa, no final de março ou início de abril, a Tyson não implementou medidas de segurança, permitindo que os alguns funcionários doentes permanecessem na linha de produção, garantindo falsamente aos trabalhadores e ao público que a planta estava segura, informa o NYT.

Continue a leitura após o anúncio

“A Tyson pretendia, com essas falsas representações, enganar os trabalhadores das instalações de Waterloo e induzi-los a continuar trabalhando, apesar do surto não controlado de Covid-19 na fábrica e dos riscos à saúde”, diz o processo, que foi arquivado em tribunal distrital de Black Hawk County

Os representantes da Tyson não retornaram imediatamente um e-mail do NYT pedindo comentários sobre o caso. Eles disseram repetidamente que a segurança é sua principal prioridade.

As fábricas de carne dos EUA têm sido pontos propagadores do coronavírus, por causa de suas condições de aglomeração, o que motivou o fechamento temporário de várias unidades industriais. Milhares de trabalhadores foram infectados e várias dezenas morreram.

Outras empresas de carne, incluindo a Smithfield Foods e a JBS USA, além de varejistas como Amazon e Walmart, foram processadas pelas famílias de trabalhadores que morreram de coronavírus. Mas a ação movida na quinta-feira contra Tyson pode ser a primeira envolvendo várias vítimas em um local de trabalho durante a pandemia, segundo informações da imprensa.

Na semana passada, o governador de Iowa, Kim Reynolds, assinou um projeto de lei que protege empresas e prestadores de serviços de saúde de reclamações legais de pessoas expostas ao vírus, retroativas a 1º de janeiro. Mas a lei tem exceções para ferimentos que resultam em hospitalização e morte, e parece improvável que impeça o processo de avançar, segundo o NYT.

O processo busca indenização pelas mortes dos funcionários Sedika Buljic, 58 anos, falecidos em 18 de abril; Reberiano Garcia, 60 anos, falecido em 23 de abril; e Jose Ayala Jr., 44 anos, que morreu em 25 de maio. Os advogados de Waterloo, Tom Frerichs e John Rausch, e o escritório de advocacia Spence em Wyoming estão representando as famílias.

Pelo menos dois outros trabalhadores de Waterloo morreram após contrair o vírus, que infectou mais de immil, dos 2,8 mil funcionários da fábrica e devastou a comunidade local. Com as doenças aumentando, Tyson recusou pedidos dos líderes locais para fechar a fábrica por vários dias e pressionou o governador a mantê-la aberta, alega o processo.

O xerife do condado, que visitou a fábrica em 10 de abril, disse que ficou abalado ao ver trabalhadores em condições de lotação sem revestimento facial e pressionou Tyson a fechar. A fábrica é a maior instalação de suínos da companhia norte-americana e pode processar cerca de 20.000 suínos por dia.

A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional de Iowa inspecionou a fábrica em 20 de abril, em resposta a reclamações, e disse no início deste mês que não encontrou violações. A fábrica fechou dois dias após a inspeção antes de reabrir com novas medidas de segurança no início de maio.

Além dos danos causados ​​por dor, sofrimento e perda de renda, o processo busca indenizações punitivas devido ao “desrespeito incorrigível, voluntarioso e arbitrário pela segurança no local de trabalho” e enviar uma mensagem a outras empresas.

O processo nomeia a empresa, bem como o presidente John H. Tyson, o CEO Noel White, a porta-voz Liz Croston e vários outros executivos e supervisores da fábrica. John H. Tyson afirmou, em um anúncio de jornal em abril, que a “cadeia de suprimentos de alimentos está quebrando” devido ao fechamento de fábricas e alertou que os clientes iriam se deparar com a falta de carne nos supermercados.

O processo alega que esses avisos foram exagerados e observa que as exportações de carne de porco da Tyson para a China, incluindo alguns produtos da fábrica de Waterloo, aumentaram significativamente naquele mês  (Adaptação do texto do The New York Times).

 

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO