Produtor gaúcho ganha mais em 2019

Confira como se comportou o Índice de Inflação dos Preços Recebidos ante a valorização dos alimentos

O Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores (IIPR) encerrou com alta de 10,68% no acumulado de 2019, superior à valorização do IPCA (Alimentos) no mesmo período (6,37%).

Isso significa que o preço recebido pelo produtor está se valorizando em velocidade mais acelerada que a média dos preços da economia, informa a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul).

Conforme boletim da federação, uma série de fatores contribuiu para a valorização do IIPR em 2019: a peste suína africana, refletiu na alta do preço dos suínos; a expectativa de menor oferta nos Estados Unidos e a valorização da taxa de câmbio resultaram na alta dos preços da soja; a abertura de novos mercados no Exterior permitiu a elevação do preço do boi gordo; e as exportações elevadas favoreceram a alta do preço do arroz. Somente em dezembro, o crescimento do IIPR foi de 1,80%.

Continue a leitura após o anúncio

Além das carnes, a falta de chuvas elevou o preço do milho, influenciando no resultado. Já o Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) registrou seis meses de quedas consecutivas, se estabilizando em dezembro com 0,88%.

O indicador fechou 2019 com queda de 1,75%. Segundo os técnicos da Farsul, “apesar da desvalorização da taxa de câmbio, os custos se mantiveram, uma vez que o aumento do preço dos fertilizantes foi equalizado por menores preços dos agroquímicos”.

“O bom desempenho do IIPR e a desvalorização do IICP construíram um cenário favorável para maiores margens em relação à safra anterior”, explica a Farsul.

A economista do Sistema Farsul, Danielle Guimarães, disse em comunicado que “apesar de um ano de taxa alta no câmbio, a grande oferta de fertilizantes puxou o indicador. De uma maneira geral, é possível afirmar que foi um ano atípico com aumento de preços e queda nos custos”.

Danielle salienta que o resultado demonstra bem a diferença entre a inflação no campo e na cidade. “Enquanto o IIPR chegou 10,68%, o IPCA Alimentos e Bebidas ficou em 6,37%. Já o IPCA teve alta de 4,31%, enquanto o IICP caiu 1,75. Movimentos bem distantes”, conclui.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO