Menu
Menu

FCStone estima déficit de 5,7 mi de t de açúcar em 2019/20

Queda na oferta ocorrerá pela queda na produção de açúcar em três dos maiores produtores globais

A INTL FCStone divulgou nesta terça-feira, 14, a primeira estimativa do balanço entre oferta e demanda global de açúcar na safra 2019/20, a ser iniciada em outubro deste ano, com um déficit de 5,7 milhões de toneladas. A consultoria manteve também a previsão de março para um saldo negativo em 300 mil toneladas na safra global 2018/2019, cuja produção está praticamente encerrada. Na safra 2017/2018, houve um superávit de 8,3 milhões de toneladas.

Segundo o relatório dos analistas João Paulo Botelho e Matheus Costa, a oferta total de açúcar na safra 2019/20 deve ficar em 182,2 milhões de toneladas, queda de 1,9% sobre a safra atual, de 185,8 milhões de toneladas. Já a demanda prevista para a próxima safra é de 187,9 milhões toneladas, 1% superior à de 2018/2019, de 186,1 milhões de toneladas.

O recuo na oferta ocorrerá pela queda na produção açúcar em três dos maiores produtores globais. Na Índia, a oferta deve ser reduzida em 13,1%, do recorde de 32,9 milhões de toneladas em 2018/2019, para 28,6 milhões de toneladas em açúcar branco equivalente. Na Tailândia, a produção deve cair 8,8% entre as safras, para 13,5 milhões de toneladas, e na China a queda deve ser de 5% na mesma base de comparação, para 10,1 milhões de toneladas.

Se o cenário previsto pela INTL FCStone se concretizar, após duas safras atrás da Índia o Brasil voltará a ser o maior produtor mundial do adoçante em 2019/2020. O Centro-Sul ter uma oferta de 29 milhões de toneladas (+8,9%) e o Norte/Nordeste de 2,7 milhões de toneladas (+6,9%) no período, um total de 31,7 milhões de toneladas de açúcar.

Moagem no Brasil

Em relação à safra 2019/20 no Brasil, a INTL FCStone elevou a previsão do processamento de cana-de-açúcar nas usinas e destilarias do Centro-Sul do país. A consultoria prevê moagem de 574,2 milhões de toneladas, alta de 1% ante o total de 568,6 milhões de toneladas estimado no levantamento anterior, em março. A previsão representa leve alta de 0,2% ante os 573,1 milhões de toneladas de cana processadas na safra 2018/2019.

Segundo o relatório, a alta na previsão ocorre pela melhora nos canaviais após chuvas volumosas em fevereiro e março na região, o que deve ampliar a produtividade das lavouras a serem colhidas no segundo semestre. No cinturão canavieiro do Centro-Sul, as chuvas entre março e a primeira quinzena de maio acumularam, em média, 324,7 milímetros (mm), já contando a previsão para os dias iniciais deste mês. O volume é 67% acima de igual período no ano passado e 12% maior do que a média histórica.

Com mais chuvas, a produtividade agrícola da cana deve atingir 73,2 toneladas por hectare em 2019/20, ante 72,5 toneladas/ha na estimativa anterior. Mas as precipitações devem afetar negativamente na qualidade da cultura. Segundo os analistas, a oferta de Açúcar Total Recuperável por tonelada (ATR/t) de cana processada deve cair 0,7% entre as safras, de 137,9 kg/t de 2018/19, para 136,9 kg/t estimados em 2019/20.

A persistente queda no preço do açúcar e a alta no preço do petróleo levaram a INTL FCStone a elevar, mais uma vez, o mix de destino cana para a produção de biocombustível. Essa fatia saiu de 60,3% para 62,9% em 2019/20 entre as estimativas de março e a de hoje, mas deve ficar abaixo dos 64,8% do mix de 2018/19. A produção de etanol de cana deve ser de 29,1 bilhões de litros, alta de 1,5 bilhão de litros ante a estimativa de março, de 27,6 bilhões de litros, mas queda de 3,5% sobre os 30,2 bilhões de litros da safra 2018/19.

A produção de hidratado de cana deve recuar 7%, para 19,8 bilhões de litros, e o volume de anidro de cana deve avançar 5%, para 9,4 bilhões de litros entre as duas safras no Centro-Sul. A produção de etanol de milho foi mantida 1 bilhão de litros, alta de 31,4% em relação aos 800 milhões de litros de 2018/19. A oferta total de etanol deve sair de 31 bilhões para 30,1 bilhões de litros.

Com isso, a consultoria reduziu a previsão do mix de destino da cana para a produção do adoçante de 39,7% para 37,1% em 2019/20, ante 35,2% em 2018/19. Com um pouco mais de cana destinada ao açúcar entre as safras, a produção no Centro-Sul deve ficar em 27,8 milhões de toneladas, alta de 4,7%, ou 1,3 milhão de toneladas, sobre os 26,5 milhões de toneladas de 2018/19, mas 1,7 milhão de toneladas inferior à estimativa de março, de 29,5 milhões de toneladas para 2019/20.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Notícias relacionadas:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho