Fecoagro diz que perdas no milho por causa da estiagem são irreversíveis

Entidade cita que a Secretaria de Agricultura de SC espera agora colheita de 2,540 milhões de toneladas

As perdas nas lavouras de milho de Santa Catarina após prolongada estiagem são irreversíveis, segundo a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro-SC). A entidade cita que a Secretaria de Agricultura do Estado espera agora colheita de 2,540 milhões de toneladas.

A situação também é preocupante no Rio Grande do Sul, onde a Secretaria de fazenda deve avaliar pedido dos agricultores de ampliação de programa de financiamento. Nas lavouras de milho catarinenses, o prejuízo médio no momento é estimado em 7,7%, chegando a 20% nas regiões de Campos Novos e Lages, áreas em que o plantio foi feito tardiamente. Os dados foram divulgados pelo secretário da Agricultura, Ricardo Gouvêa, após reunião com diretores e técnicos da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

Continue a leitura após o anúncio

Apesar da média, técnicos da Epagri ressaltam que existem propriedades pontuais que já perderam de 50% a 70% da produção. A escassez de chuvas também prejudicou outras lavouras, mas com menor intensidade, segundo o levantamento citado pela Fecoagro.

Para a soja, a média de perdas no Estado até agora está estimada em 4,2%, com a colheita total prevista de 2,4 milhões de toneladas. O feijão deve perder 3,2% e o fumo menos de um por cento. O setor produtivo acompanha, também, a quebra da safra de milho no Rio Grande do Sul, maior produtor da região e que abastece criadores catarinenses. Lá, produtores pedem a ampliação do Programa de Financiamento de Sementes Forrageiras, do governo do Estado, que oferece linha de crédito via Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper).

Conforme a Secretaria da Agricultura do Estado, a demanda foi discutida na terça-feira em reunião do governador Eduardo Leite com o presidente da Fetag, o secretário da Agricultura e o deputado estadual Elton Weber. Na ocasião, Leite afirmou que o próximo passo é encaminhar o pedido de financiamento para um estudo de viabilidade técnica por parte da Secretaria da Fazenda.

O governador disse, ainda, que está encaminhando a solicitação de uma agenda em Brasília com a ministra da Agricultura Tereza Cristina para buscar alternativas em relação ao crédito rural, outra necessidade dos agricultores gaúchos.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO