Fenômeno “La Niña” pode provocar chuvas irregulares em algumas regiões do Brasil

Previsões do INMET apontam que na região Centro-Oeste irá chover de forma mais regular no mês de novembro
Foto: Eduardo Hanazaki/Mapa.

O período chuvoso na região central do Brasil se atrasou em pouco mais de duas semanas, mas as chuvas tendem a se intensificar nos próximos dias. Segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Ricardo Andrade, as previsões do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) apontam que na Região Centro-Oeste, irá chover de forma mais regular no mês de novembro. “Em dezembro, o volume acumulado tende a registrar índices mais baixos em relação ao mês anterior”, diz o pesquisador.

Em grande parte do Sudeste, as chuvas devem ficar entre a média e um pouco acima da média, com temperaturas ligeiramente abaixo da média climatológica. “Em termos de balanço hídrico, apenas em dezembro ocorrerá o excedente hídrico”, prevê o pesquisador. Andrade ressalta, porém, que essas são previsões genéricas para as regiões, podendo ocorrer situações diferentes em algumas localidades específicas.

Para a Região Sul, o pesquisador aponta que os modelos do instituto indicam chuvas abaixo da média histórica (exceção para o noroeste do Paraná, onde choverá acima da média). “Vale ressaltar que, nos primeiros vinte dias de outubro, choveu menos de 25% do esperado para o mês em grande parte dos territórios de Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, afirma Andrade. Em novembro, a previsão é de déficit hídrico na maior parte do Sul do país.

Segundo as previsões do INMET, haverá chuvas entre a média e um pouco acima da média na maior parte do território nordestino, mesmo assim, em termos de balanço hídrico, prevalecerá o déficit hídrico na região. Exceto para o oeste e sul baiano, que terá condições climáticas favoráveis para ocorrência de excedentes hídricos nos meses de novembro e dezembro.

Andrade lembra que, segundo a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) dos EUA, as condições climáticas do período primavera/verão deste ano terão a influência do La Niña. O fenômeno favorece as chuvas nas Regiões Norte e Nordeste e provoca estiagens no Sul do país, condições que poderão afetar a safra 2020/21. Apesar da La Niña, a expectativa é que os preços dos produtos lácteos voltem a cair com final da entressafra.

Seca prolongada no inverno

Este ano, o período de estiagem se prolongou um pouco mais em algumas regiões do Brasil. “No inverno, tivemos chuvas irregulares, com o déficit hídrico se intensificando no final da estação. A Região Sul foi a única onde as chuvas foram mais bem distribuídas, porém, abaixo da média”, diz Andrade. Segundo o pesquisador. A La Niña deve atuar até o mês de abril, com maior intensidade nos meses de dezembro e janeiro.

As safras podem ser afetadas com períodos de estiagem mais frequentes e o oeste do Rio Grande do Sul e Santa Catarina já sofrem com a falta de chuva. Como lembra Andrade, a agropecuária é bastante sensível ao clima. É preciso chover em momentos certos para que a planta se desenvolva. Os períodos de crescimento vegetativo, floração e enchimento dos grãos demandam água. Já, na colheita, água em excesso é prejudicial. Quanto às pastagens, o sistema radicular das gramíneas tem pouca profundidade. Chuvas concentradas num período curto ou intercaladas de veranicos prolongados afetam o desenvolvimento das pastagens.

La Niña

O fenômeno La Niña ocorre quando as temperaturas das águas do Oceano Pacífico se apresentam com anomalias negativas (< – 0,5ºC) em relação à média. O fenômeno ocorre de forma cíclica, intercalado com o El Niño e é capaz de atuar na distribuição de calor e de chuvas. Trata-se do oposto do El Niño, ou seja, temperatura das águas do Oceano Pacífico com anomalias positivas (> +0,5) em relação à média histórica. A condição de neutralidade dos fenômenos seria quando as anomalias de temperatura das águas do Pacífico estão entre -0,5ºC e +0,5ºC em relação à média histórica. Além de atuar no regime pluviométrico das Regiões Sul, Nordeste e Norte do Brasil, o fenômeno La Niña também provoca redução das chuvas no litoral do Chile, Peru e Equador.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.