Ferrugem pode reduzir em até 35% produção de café em 2019

Incidência da doença, que provoca desfolha e queda da produtividade, chega a 53% em alguns cultivares do interior de SP

A elevada incidência de ferrugem pode derrubar a produção de café da safra 2018/19 e até 35%, segundo apontam os pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC) e do Instituto Biológico (IB) de São Paulo. Levantamento realizado no mês passado pelas duas instituições apontou que a incidência da doença em 44,4% das plantas da cultivar Catuaí, em Campinas, em 32% da cultivar Mundo Novo, em Franca, em de 33% e 53% nas cultivares Catuaí e Mundo Novo, respectivamente, em Caconde.

+Chuvas aliviam condições de desenvolvimento do café
+Veranico prejudica cafezais e coloca em risco safra 2019/20
+Conab prevê queda na produção brasileira de café em 2019

“Este ano a doença está muito agressiva em função do clima que tem altas temperaturas e chuvas desuniformes, foi muita chuva em novembro e pouca em dezembro, quando esquentou muito”, afirma, em nota, a pesquisadora Angelica Prela Pantano, do IAC. Em Franca, Mococa e Caconde, o volume esperado de chuvas no último mês era de 281 mm, 275 mm e 247 mm. Contudo, foram registrados cerca de 65,5 mm, 105,2 mm e 45,3 mm, respectivamente. No ano passado, no mesmo período, a precipitação registrada foi de 193 mm em Franca e de 250 mm em Mococa e Caconde.

De acordo com a pesquisadora do IB, a epidemia de ferrugem, em geral, inicia-se em dezembro, e pode se manifestar até o inverno, quando a temperatura começa a decrescer. As condições climáticas que favorecem a ferrugem são temperaturas entre 20ºC e 22oC e chuvas acima de 30 mm. Temperaturas máximas médias mensais acima de 30oC e mínimas médias mensais abaixo de 15oC desfavorecem a ocorrência.

Com a pausa nas precipitações em janeiro, as expectativas são de que elevadas temperaturas tenham inibido a expansão da doença. A orientação das pesquisadoras do IAC e do IB, contudo,  é para que os produtores a não reduzam o número de aplicações, mas sim, diminuam o intervalo entre elas caso as condições climáticas voltem a ficar favoráveis à ferrugem.

“Fazemos essa recomendação especialmente considerando que os uredosporos da ferrugem são bastante resistentes a condições climáticas adversas e que as folhas contendo lesões de ferrugem podem permanecer no campo”, diz Flávia Rodrigues Alves Patrício, pesquisadora do IB.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Nova revolução no cocho

VEJA os destaques da edição de agosto e o Especial Confinamento; na capa, com quase nada ou zero volumoso, a chamada ‘dieta fast’ ganha os cochos, melhora o desempenho dos animais e simplifica as operações.

Revista DBO | Nova revolução no cocho

VEJA os destaques da edição de agosto e o Especial Confinamento; na capa, com quase nada ou zero volumoso, a chamada ‘dieta fast’ ganha os cochos, melhora o desempenho dos animais e simplifica as operações.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.