Fórum debate avanço do Brasil para o status de livre de febre aftosa sem vacinação

A meta é que todo o território brasileiro seja considerado livre de febre aftosa sem vacinação até 2026; o reconhecimento é conferido pela OIE

Nesta quinta-feira (16), representantes do setor público e privado se reuniram no “2º Fórum Nacional do Plano Estratégico 2017 – 2026” do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (PE-PNEFA).

Em encontro online, eles apresentaram o panorama do Brasil para uma transição de zona livre de febre aftosa com vacinação para o reconhecimento do país sem a necessidade de vacinar o rebanho.

Atualmente, o Brasil tem o reconhecimento internacional de zonas livres de febre aftosa sem vacinação em sete estados. A área abrange Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso. O reconhecimento é conferido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Para o diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Geraldo Moraes, o país tem o desafio de evoluir gradativamente a região que ainda utiliza a vacina, que representa 80% do território nacional, para áreas livres de aftosa sem vacinação.

Geraldo Moraes, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa

“O grande objetivo é avaliar de forma conjunta, buscando evitar ao máximo a implantação de estruturas de fiscalização e restrições de trânsito entre as regiões”.

O pecuarista Sandro Guaitolini também participou do Fórum como representante do setor produtivo do estado de Rondônia, um dos primeiros estados a iniciar o processo de retirada da vacinação.

“A gente entende que mudamos de patamar e nesta nova fase, sem a vacinação, a vigilância se faz mais rigorosa e constante do que nunca. E tem que ser ainda mais eficiente, em que todos os atores devem agir com máxima rapidez, comunicando qualquer suspeita aos órgãos responsáveis, dando respostas efetivas a fim de minimizar os possíveis estragos. É um processo que exige acompanhamento constante, pois a cada instante se apresenta um novo desafio”, defendeu ele.

Na visão da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o pecuarista é o principal aliado para o avanço do status do país para livre de febre aftosa sem vacinação.

VEJA TAMBÉM

Ministério prorroga prazo de vacinação para 14 Estados contra a febre aftosa

História do combate à febre aftosa é contada em livro

Febre aftosa: equipe gestora de MT defende última vacinação para novembro/22

Ministra entrega a Eduardo Leite certificado de área livre de aftosa sem vacinação

A coordenadora de Produção Animal da entidade, Lilian Figueiredo, frisou que a retirada da vacina é uma decisão conjunta em que o setor privado, público e, principalmente, o produtor devem caminhar de mãos dadas técnica e politicamente.

“É essencial conscientizar o produtor para que as informações cheguem a todos na ponta com a confiança do pecuarista nos trabalhos para avançar com segurança. Precisamos vender segurança alimentar e não apenas alimento, demonstrando que a retirada da vacinação reforça a qualidade da produção com segurança e agregação de valor à carne a partir da imagem de um produtor que cumpre as exigências e tem um manejo sanitário correto”, enfatizou.

A meta é que todo o território brasileiro seja considerado livre de febre aftosa sem vacinação até 2026. Atualmente, em torno de 70 países são reconhecidos como livres de febre aftosa.

A doença afeta bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos e traz prejuízos como limitações à comercialização de produtos pecuários.

A febre aftosa ainda exige esforços constantes dos produtores rurais e das autoridades sanitárias para prevenção e erradicação.

O Brasil registrou o último foco de febre aftosa em 2016. Desde 2018, todo o território do país é reconhecido internacionalmente como livre da doença (zonas com e sem vacinação).

O 2º Fórum Nacional para a Febre Aftosa foi organizado pela equipe gestora Nacional do PE-PNEFA, coordenada pelo Departamento de Saúde Animal, da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.