BRF se reunirá com avicultores do MT para negociar pagamento retroativo

Na semana passada, a empresa se reuniu com representantes da Cadec e da Appa, mas a revisão dos preços pagos entre janeiro e junho ficou de fora do acordo, o que motivou a decisão dos produtores de interromperem os alojamentos nesta semana

Produtores de frango integrados à unidade da BRF de Lucas de Rio Verde (MT) mantêm paralisados os alojamentos de pintinhos para engorda e abate desde a segunda-feira (14), enquanto a empresa não se dispõe a elevar em 8% a 11% os valores pagos pela produção recebida a partir de janeiro, o equivalente a uma diferença retroativa total de quase R$ 4 milhões.

Segundo o coordenador da Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração (Cadec) e diretor executivo da Associação de Produtores de Proteína Animal (Appa), Pablo Artifon, a perspectiva é de que as atividades sejam retomadas na sexta-feira, 18, data para a qual a BRF agendou uma reunião para negociação.

Na semana passada, a empresa se reuniu com representantes da Cadec e da Appa e aceitou reajustar a partir de junho os preços pagos pelas aves recebidas. O reajuste era esperado pelos produtores desde novembro de 2020, quando a empresa costuma propor incrementos de preços, com base na atualização de custos das granjas. Contudo, a revisão dos preços pagos entre janeiro e junho ficou de fora do acordo, o que motivou a decisão dos avicultores de interromperem os alojamentos nesta semana.

De acordo com Artifon, dos 700 aviários que operam integrados à companhia, localizados em Lucas do Rio Verde, Tapurah e Sorriso, 480 aderiram à greve e até a sexta-feira cerca de 1,5 milhão de animais deixarão de ser alojados.

“Se os outros 220 aviários parassem também, seriam 2,25 milhões de frangos a menos para a empresa”, disse.

Também nesta semana, produtores de outros Estados do Brasil começaram a se articular para criar uma liderança nacional que implemente critérios e uma metodologia para controle, gestão e relacionamento entre produtores e agroindústrias, aos moldes do observado em Lucas do Rio Verde. Segundo ele, 35 associações já fazem parte dessas articulações e a intenção é adaptar o modelo, respeitando os custos e particularidades de cada região.

Procurada, a BRF não se manifestou sobre o assunto. Na semana passada, em nota enviada ao Estadão/Broadcast, a companhia disse que estava em “negociação constante” com os produtores.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.