Menu
Menu

Frete: indefinição deixa navios parados nos portos

De acordo com a Anec, 10 milhões de t de soja já vendidas estão esperando para serem transportadas
Foto: Ivan Bueno/Appa.

O tabelamento de preços mínimos para o frete rodoviário não tem afetado apenas o mercado interno, mas também as exportações. De acordo com Sérgio Mendes, diretor geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), já são 50 navios parados nos portos esperando o embarque de grãos – e sujeitos a pagamento de sobreestadia [valor por atraso] de US$ 17 mil – e mais de 60 chegando em junho. “São dez milhões de toneladas de soja já vendidas e que estão paradas no interior com o produtor”, afirma. Segundo ele, o impacto negativo da tabela no setor de grãos pode ficar em torno de US$ 3,7 bilhões considerando o que já está comercializado para esse ano e 2019.

Mendes diz que não há como comercializar com o tabelamento em vigor, pois o segmento não tem condições de absorver o aumento de custos. “Nosso setor trabalha com margens estreitas e grandes volumes. É feito hedge [mecanismo de proteção de riscos] de cada operação de venda, porque não podemos correr risco de errar, já que qualquer surpresa pode afetar os rendimentos. E a tabela é uma surpresa, porque os negócios já tinham sido fechados”. Ele ressalta que não há como repassar as altas, uma vez que o setor é regido pelos preços da bolsa de valores.

Já na cadeia de carne bovina, as indefinições do frete parecem não causar nenhum impacto, pois a maior parte dos frigoríficos possui sua própria frota de caminhões. De acordo com a Scot Consultoria, tanto as exportações de carne como o transporte de animais para abate têm ocorrido normalmente.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) tem discutido com caminhoneiros e representantes do agronegócio e indústria uma nova tabela de preços mínimos, mais detalhada do que a primeira e possivelmente com valores pelo menos um pouco menores. Essa alternativa, porém, não agrada a Anec. “Você pode até bolar uma tabela que seja tranquila, mas quem me garante que daqui a pouco não vai lá para cima? Tem que ser tudo em função de mercado”, diz Mendes. A entidade já entrou com ação junto à ANTT e deve protocolar uma ação civil pública na Justiça Federal ainda nesta terça-feira, 12. A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) também anunciou que entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a tabela de preços mínimos do frete.

O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, disse ao jornal O Estado de S. Paulo que espera a conclusão de um acordo entre caminhoneiros e embarcadores em torno da tabela de frete ainda nesta terça. Ele informou que ele próprio e os técnicos da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) estão em contato com as associações de produtores e as entidades dos caminhoneiros para buscar um entendimento.

Das cinco tabelas em elaboração, uma para cada tipo de carga, ainda não houve acordo em relação aos graneleiros. Ela concentra a carga do agronegócio, que rejeita a fixação de um preço mínimo. A proposta apresentada na segunda-feira pelos caminhoneiros é fixar a tabela nos atuais níveis de preço de mercado para os granéis. Ela deverá ser discutida nesta terça com os produtores. “Mas o atual preço não pode ser considerado mínimo, porque estamos na safra”, observou o ministro.

Fonte: Portal DBO e ESTADÃO CONTEÚDO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

Sustentabilidade é isso aí…

Hélio Casale destaca os esforços do agricultor na busca pela sustentabilidade e os principais temas abordados no 3º Fórum de Agricultura Sustentável

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho