[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Futuro do cruzamento é muito promissor

Com 30 anos de atuação na área genética, o zootecnista Alexandre Zadra, especialista em cruzamento industrial, dá sua visão do futuro dos cruzamentos

Uso de raças continentais em cruzamentos tede a aumentar.

Por Alexandre Zadra – Zootecnista, especialista em cruzamento industrial, supervisor regional comercial da Genex e autor do blog Crossbreeding.

Sem querer ser o oráculo de Delfos, mas usando informações trazidas do campo, quero convidá-lo, caro leitor de DBO, a fazer uma reflexão sobre as tendências da cria sob o prisma da genética, que inexoravelmente passará pelo tema cruzamento industrial, levando em consideração alguns possíveis cenários. Há 30 anos trabalhando em empresas de inseminação artificial, constatei que o uso do cruzamento disparou nos últimos oito anos puxado pela IATF (Inseminação Artificial por Tempo Fixo).

Muitos criadores que não faziam IA, por falta de mão de obra treinada, passaram a adotar essa ferramenta primorosa, que, na visão de muitos profissionais e consultores, tem a mesma importância para a pecuária que o trator para a agricultura, porque provocou uma verdadeira revolução em nosso meio.

VEJA TAMBÉM | Como escolher a melhor genética para o seu rebanho?

A inseminação é primordial para iniciar essa discussão sobre tendências genéticas em nosso rebanho, porque ela tornou viável o uso de raças europeias em matrizes zebuínas, visto que a monta natural, no sistema extensivo na região Centro-Norte do Brasil, se limita ao gado zebu e às raças taurinas adaptadas. Duas constatações relevantes mostram que essas taurinas são necessárias: elas fornecem carne mais macia e têm maior velocidade de ganho de peso do que as zebuínas, visto que animais “taurinizados” apresentam maior apetite.

O melhoramento normalmente pressupõe duas coisas: 1ª) A seleção de animais dentro de uma raça, o que requer tempo, obtendo-se ganhos genéticos para as características de interesse no decorrer das gerações; e 2ª) O cruzamento entre raças, buscando aliar a heterose com o metabolismo adequados para cada sistema de produção.

Quero agora me ater às possibilidades do cruzamento sob diversos cenários, dividindo as raças taurinas em europeus continentais (Charolês, Simental, e outras), europeus britânicos (Angus, Hereford e outras) e taurinos adaptados (Bonsmara, Caracu e Senepol). Diversos indicadores apontam para a expansão dessa prática, que traz benefícios inquestionáveis para o produtor. Vejamos alguns:

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp
Skype
Email
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
Email
Tumblr
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.